OS FACTS da Salvação : Um Sumário da Teologia Arminiana – ou As Doutrinas Bíblicas da Graça: Libertos para Crer pela Graça de Deus

Padrão

Libertos para Crer pela Graça de Deus

(Freed by Grace to Believe – Artigos 3 e 4 dos Cinco Artigos da Remonstrância)

Como temos notado, como os humanos são caídos e pecaminosos, eles não são capazes de pensar, desejar, nem fazer nada bom em e de si mesmos, incluindo crer no evangelho de Cristo (veja a descrição de Depravação Total acima). Portanto, desejando a salvação de todos e providenciando expiação para todas as pessoas (veja “Expiação para Todos” acima), Deus continua a tomar a iniciativa para o propósito de trazer todas as pessoas para salvação chamando todas as pessoas em todo lugar para se arrependerem e crerem no Evangelho (At 17:30; cf. Mt 28:18-20), e habilitando aqueles que ouvem o Evangelho a respondê-lo positivamente em fé. Sem o auxílio da graça, o homem não pode nem mesmo escolher agradar Deus ou crer na promessa da salvação mantida no evangelho. Como Jesus disse em Jo 6:44, “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer”. Mas graças a Deus, Jesus também prometeu “E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim”(Jo 12:32). Portanto, o Pai e o Filho trazem as pessoas a Jesus, habilitando-as a vir a Jesus em fé. Mesmo que as pessoas pecaminosas estejam cegas para a verdade do evangelho (2Co 4:4), Jesus veio ao mundo da humanidade pecaminosa como “a verdadeira luz que ilumina todo homem” (Jo 1:9; cf 12:36), a luz da qual João o Batista veio a dar testemunho, “para que todos cressem por meio dele” (Jo 1:7). Então nós encontramos Jesus falando ao povo que estava indisposto a crer nele para que pudessem ser salvos (Jo 5:34, 40) e alertando descrentes, “Ainda por um pouco a luz está convosco. Andai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos apanhem; pois quem anda nas trevas não sabe para onde vai. Enquanto tendes a luz, crede na luz, para que vos torneis filhos da luz” (Jo 12:35-36). De fato Deus iluminou os corações de seus apóstolos “para a dar iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Jesus Cristo” (2Co 4:6), e o Apóstolo Paulo recebeu graça “anunciar aos gentios as riquezas inescrutáveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério que, desde o princípio do mundo, esteve oculto em Deus, que criou todas as coisas” (Ef 3:8-9). Isto refere-se ao evangelho da graça de Deus, que “é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” (Rm 1:16), e na realidade torna isto possível, para aqueles que ouvem, crer, porque

[8] Mas que diz? A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração; isto é, a palavra da fé, que pregamos. {Note que Paulo está aplicando Dt 30:12, que indica capacidade de obedecer a palavra de Deus, a mensagem do Evangelho, indicando que aqueles que ouvem o evangelho recebem habilidade de crer nele!]

[9] Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo;

[10] pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.

[11] Porque a Escritura diz: Quem nele crer não será envergonhado.

[12] Porquanto não há distinção entre judeu e grego; porque o mesmo Senhor o é de todos, rico para com todos os que o invocam.

[13] Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.

{Romanos 10:8-13 Almeida Recebida}

Além disso, “a fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo” (Rm 10:17), apesar de que isto não causa necessariamente a fé, desde que “nem todos deram ouvidos ao evangelho” (Rm 10:16) mesmo que eles tenham ouvido (Rm 10:18). Deus oferece sua maravilhosa graça salvífica em Seu Filho para pecadores, mas permite-lhes escolher se eles aceitarão ou rejeitarão. Portanto, no caso de Israel, o Deus que ama todos e trabalha pela salvação de todos diz “Todo o dia estendi as minhas mãos a um povo rebelde e contradizente” (Rm 10:21).

Continuando a missão de Jesus de salvar o mundo, o Santo Espírito veio para convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16:8). Ainda que descrentes estejam “entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração” (Ef 4:18), o Senhor abre os corações das pessoas para responder positivamente à mensagem do evangelho (At 16:14) e sua bondade leva àqueles com coração duro e impenitente em direção ao arrependimento (Rm 2:4-5). Em sua soberania, ele até mesmo posicionou os povos com o próprio propósito de “que buscassem a Deus, se porventura, tateando, o pudessem achar, o qual, todavia, não está longe de cada um de nós” (At 17:2&). Em suma, Deus chama todas as pessoas a se arrepender e crer no Evangelho, habilitando aqueles que ouvem a respondê-lo positivamente em fé enquanto ele traz todas as pessoas para a fé em Jesus, rompe a escuridão de seus corações e mentes com o esplendor de sua luz, ilumina suas mentes, comunica seu impressionante poder com o evangelho que incita fé, persuade-os com sua bondade, convence-os pelo seu Espírito, abre seus corações para atentar ao seu evangelho, e posiciona-os para buscá-lo já que ele está perto de cada um.

Tudo isso é conhecido no jargão teológico como a graça preveniente de Deus. O termo “preveniente” simplesmente significa “precedente”. Portanto, “graça preveniente” se refere à graça de Deus que precede salvação, incluindo aquela parte da salvação conhecida como regeneração, que é o começo da vida espiritual eterna concedida a todos os que confiam em Cristo (Jo 1:12-12). Graça preveniente é também às vezes chamada de graça capacitante ou graça pré-regenerativa. Este é o favor imerecido de Deus para pessoas totalmente depravadas, que são indignas da bênção de Deus e incapazes de buscar Deus oi de confiar nele de e por si mesmos. De acordo, Atos 18:27 indica que nós cremos mediante graça, colocando a graça prevenientemente (i.e. logicamente anterior) à fé como o meio pelo qual cremos. É a graça que, entre outras coisas, liberta nossas vontades para crer em Cristo e seu Evangelho. Como Tito 2:11 diz, “Porque a graça de Deus, que traz a salvação, se manifestou a todos os homens”.

Nós falamos da vontade do homem sendo liberta pela graça para enfatizar que as pessoas não têm uma liberdade natural quando vêm a crer em Jeussm mas Deus deve graciosamente tomar a ação de libertar nossas vontades a fim de sermos capazes de crer em seu Filho que ele enviou para a salvação de todos. Quando nossas vontades são libertas, podemos ou aceitar a graça salvífica de Deus em fé ou rejeitá-la para nossa própria ruína. Em outras palavras, a graça salvífica de Deus é resistível, o que quer dizer que ele dispensa seu chamado, guia, e graça convincente (que traria salvação se respondida em fé) de tal forma que podemos rejeitá-lo. Nós nos tornamos livre para crer em Jesus e livres para rejeitá-lo. A resistibilidade da graça salvífica de Deus é claramente mostrada na Escritura, como algumas das passagens já mencionadas testificam. De fato, a Bíblia é tristemente preenchida com exemplos de pessoas desprezando a graça de Deus oferecida a elas. Em Isaías 5:1-7 Deus realmente indica que ele não podia ter feito mada mais para Israel produzir bons frutos. Mas se a graça irresistível é algo que Deus dispensa, então ele poderia ter facilmente provido esta e infalivelmente trazido Israel a produzir bom fruto. Muitas passagens do Antigo Testamento falam sobre como Deus estendeu sua graça para Israel várias e várias vezes mas eles repetidamente resistiram e rejeitaram-no (e.g., 2Rs 17:7-23; Jr 25:3-11; 26:1-9; 35:1-19). 2Cr 36:15-16 menciona que o convite insistente de suas mãos para o seu povo, convite o qual foi rejeitado, foi motivado por compaixão por eles. Mas isto só pode ser se a graça que ele estendeu os habilitou a se arrepender e evitar seu julgamento e ainda assim foi resistível desde que eles de fato resistiram-na e sofreram o julgamento de Deus. Neemias 9 apresenta um exemplo impressionante do testemunho do Antigo Testamento que Deus continuamente estendeu as mãos a Israel com sua graça que encontrou resistência e rejeição. Nós não temos espaço para rever a passagem inteira (mas o leitor é encorajado a assim fazer), mas citaremos alguns elementos chave e prestar atenção a alguns pontos importantes. Ne 9:20a diz “Também lhes deste o teu bom espírito para os ensinar”, e é seguido por um extenso catálogo de ações divinas graciosas em favor de Israel nos versos 9b-25. Então em 9:26-31 diz:

[26] Não obstante foram desobedientes, e se rebelaram contra ti; lançaram a tua lei para trás das costas, e mataram os teus profetas que protestavam contra eles para que voltassem a ti; assim cometeram grandes provocações.

[27] Pelo que os entregaste nas mãos dos seus adversários, que os afligiram; mas no templo da sua angústia, quando eles clamaram a ti, tu os ouviste do céu; e segundo a multidão das tuas misericórdias lhes deste libertadores que os libertaram das mãos de seus adversários.

[28] Mas, tendo alcançado repouso, tornavam a fazer o mal diante de ti,; portanto tu os deixavas nas mãos dos seus inimigos, de modo que estes dominassem sobre eles; todavia quando eles voltavam e clamavam a ti, tu os ouvias do céu, e segundo a tua misericórdia os livraste muitas vezes;

[29] e testemunhaste contra eles, para os fazerdes voltar para a tua lei; contudo eles se houveram soberbamente, e não deram ouvidos aos teus mandamentos, mas pecaram contra os teus juízos, pelos quais viverá o homem que os cumprir; viraram o ombro, endureceram a cerviz e não quiseram ouvir.

[30] Não obstante, por muitos anos os aturaste, e testemunhaste contra eles pelo teu Espírito, por intermédio dos teus profetas; todavia eles não quiseram dar ouvidos; pelo que os entregaste nas mãos dos povos de outras terras.

[31] Contudo pela tua grande misericórdia não os destruíste de todo, nem os abandonaste, porque és um Deus clemente e misericordioso.

{Neemias 9:26-31 Almeida Recebida}

O texto afirma que Deus deu seu Espírito para instruir Israel (9:20) e que Deus enviou seus profetas e alertou Israel para o propósito de que eles retornassem a ele. Deus propôs estas ações para que tornar Israel de volta a ele / à sua Lei, e ainda assim eles se rebelaram. Isto mostra Deus permitindo seu propósito não vindo a ocorrer por permitir a seres humanos uma escolha de render-se à sua graça ou não. Intrigantemente, a palavra traduzida como “aturar” em Neemias 9:30 usa um vocábulo hebraico que geralmente significa algo como “trazer, tragar, puxar” e foi traduzida na tradução grega do AT usada pela antiga igreja com a mesma palavra usada em Jo 6:44a (“Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer”). Uma tradução melhor de Ne 9:30 seria “Muitos anos tu os trouxeste e os alertaste pelo seu Espírito mediante os profetas. Ainda assim eles não deram ouvidos”. O texto fala de um trazer divino resistível que busca colocar as pessoas para o Senhor em arrependimento. Estêvão também forneceu um bom exemplo de graça resistível quando ele disse a seus compatriotas judeus,

[51] Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; como o fizeram os vossos pais, assim também vós.

[52] A qual dos profetas não perseguiram vossos pais? Até mataram os que dantes anunciaram a vinda do Justo, do qual vós agora vos tornastes traidores e homicidas,

[53] vós, que recebestes a lei por ordenação dos anjos, e não a guardastes.

{Atos 7:51-53}

Lucas 7:30 nos diz que os fariseus e doutores da lei rejeitaram o propósito de Deus para si mesmos. E Jesus, que falou ao povo com o propósito de salvá-los (Jo 5:34), ainda assim notou que eles recusaram a vir até ele para terem vida (Jo 5:40), e que veio para desviar todo judeu de seu pecado (At 3:26; veja o tratamento deste texto em “Expiação para Todos”), mesmo assim claramente nem todo judeu creu nele, lamentou sobre a indisposição do povo para receber sua graça, dizendo “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que a ti são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta a sua ninhada debaixo das asas, e não quiseste!” (Lc 13:34; veja também Ez 24:13; Mt 23:37; Rm 2:4-5; Zc 7:11-14; Hb 10:29; 12:15; Jd 1:4; 2Co 6:1-2; Sl 78:40-42).

Arminianos divergem entre si mesmos sobre alguns dos detalhes de como a graça preveniente de Deus funciona, provavelmente porque a própria Escritura não dá uma descrição detalhada. Alguns arminianos creem que Deus continuamente habilita todas as pessoas a crer em todo tempo como benefício da expiação. Outros creem que Deus somente concede a capacidade de em Cristo para pessoas em tempos selecionados de acordo com sua boa vontade e sabedoria. Ainda outros creem que graça preveniente geralmente acompanha quaisquer dos movimentos específicos de Deus em direção às pessoas, tornando-as capazes de responder positivamente a tais movimentos conforme Deus assim os efetuaria. Mas todos os arminianos concordam que as pessoas são incapazes de crer em Jesus à parte da intervenção da graça de Deus e que Deus de fato concede sua graça que traz para a salvação todas as pessoas moralmente responsabilizáveis. Com respeito ao Evangelho, o bispo arminiano do século XVII, Laurence Womack, bem dissera, “em todos aqueles que a palavra da fé é pregada, o Santo Espírito concede, ou está pronto para conceder, tanta graça quanto é suficiente, no grau adequado, para trazer-lhes à conversão”.

O conceito de “vontade liberta” levanta uma questão mais geral de se seres humanos tenham livre arbítrio geralmente, à parte do domínio de agradar Deus e realizar o bem espiritual (novamente, as pessoas não são livres neste quesito a não ser que Deus as habilite). A resposta arminiana é sim. Pessoas têm livre arbítrio em toda espécie de coisas. Por isto nós queremos dizer que quando as pessoas são livres com respeito a uma ação, então elas podem pelo menos ou realizar a ação ou abster-se de fazê-la. Pessoas geralmente têm escolhas genuínas e são correspondentemente capazes de realizar escolhas. Quando livre, a escolha específica que alguém faz não foi eficientemente predeterminada ou necessitada por qualquer um ou qualquer coisa além da pessoa em si. De fato, se as ações da pessoa foram tornadas necessárias por outrem, e a pessoa não pode evitar realizar a ação, então ele não tem nenhuma escolha e ele não é livre neste quesito. E se ele não tem uma escolha, então nem pode propriamente ser dito que ele escolhe. Mas a Escritura bem claramente indica que as pessoas têm escolhas e fazem escolhas sobre muitas coisas (e.g., Dt 23:16; 30:19; Js 24:15; 2Sm 24:12; 1Rs 18:23, 25; 1Cr 21:10; At 15:22, 25; Fp 1:22). Além disto, ela explicitamente fala de liberdade humana (Ex 35:29; 36:3; Lv 7:16; 22:18, 21, 23; 23:38; Nm 15:3; 29:39; Dt 12:6, 17; 16:10; 2Cr 31:14; 35:8; Ed 1:4, 6; 3:5; 7:16; 8:28; Sl 119:108; Ez 46:12; Am 4:5; 2Co 8:3; Fm 1:14; cf. 1Co 7:37) e atesta seres humanos violando a vontade de Deus, mostrando que ele não predetermina suas vontades e ações para o pecado. Além disto, o fato de Deus manter as pessoas responsáveis por suas escolhas e ações implica que tais escolhas e ações foram livres. Não obstante, é importante lembrar que arminianos não creem em liberdade ilimitada. Existem muitas coisas nas quais não somos livres. Nós não podemos escolher voar batendo os braços por exemplo. Nem negamos que nossas ações são influenciadas por todas as espécies de causas. Mas quando somos livres, estas causas são resistíveis e nós temos uma escolha genuína do que fazemos e não são causadas necessariamente a agir de uma certa maneira por Deus ou por qualquer outra coisa além de nós mesmos.

Finalmente, o conceito de vontade liberta também implica que Deus tem definitivo e absoluto livre arbítrio. Pois é Deus que sobrenaturalmente libera a vontade dos pecadores pela sua graça para crerem em Cristo, o que é um assunto da própria livre vontade e soberania divina. Deus é onipotente e soberano, tendo o poder e autoridade para fazer qualquer coisa que ele queira e não sendo restrito em suas próprias ações e vontade por nada fora de si mesmo e seu próprio julgamento (Gn 18:14; Ex 3:14; Jó 41:11; Sl 50:10-12; Is 40:13-14; Jr 32:17, 27; Mt 19:26; Lc 1:37; At 17:24-25; Rm 11:34-36; Ef 3:20; 2Co 6:18; Rv 1:8; 4:11). Nada pode ocorrer exceto se ele fizer ou permitir. Ele é o Todo-Poderoso Criador e Deus do universo a quem devemos todo o amor, adoração, glória, honra, agradecimento, louvor, e obediência. Portanto, é bom para nós lembrar que detrás da vontade humana liberta está Aquele que liberta a vontade, e este é um assunto de sua gloriosa, livre, e soberana graça, totalmente imerecida de nossa parte, e providenciada para nós pelo amor e misericórdia de Deus. Louvado seja seu santo nome!

OS FACTS da Salvação : Um Sumário da Teologia Arminiana – ou As Doutrinas Bíblicas da Graça: Depravação Total

Padrão

Depravação Total

(Total Depravity – Terceiro dos Cinco Artigos da Remonstrância)

Humanidade foi criada à imagem de Deus, boa e reta, mas caiu de seu estado original sem pecado mediante desobediência deliberada, deixando a humanidade no estado de total depravação, pecaminosidade, separação de Deus, e debaixo da sentença de divina condenação (Rm 3:23, 6:23; Ef 2:1-3). Depravação total não quer dizer que os seres humanos são tão malignos quanto possam ser, mas que o pecado impactou cada parte do ser e que tais pessoas agora têm uma natureza pecaminosa com inclinação natural para o pecado. Seres humanos são fundamentalmente corruptos no coração. Como a Escritura nos diz, “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso;” (Jr 17:9; cf. Gn 6:5; Mt 19:17; Lc 11:13). De fato, seres humanos estão espiritualmente mortos em pecados (Ef 2:1-3, Cl 2:13) e são escravos do pecado (Rm 6:17-20). O Apóstolo Paulo até mesmo diz ” eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum” (Rm 7:18). Em outro momento ele testifica:

[10] como está escrito: Não há nenhum justo, nem um sequer.

[11] Não há ninguém que entenda; ninguém que busque a Deus.

[12] Todos se extraviaram; juntamente se fizeram inúteis. Não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer.

(Rm 3:10-12; cf. Rm 1:18-32; Ef 4:17-22).

Em seu estado natural, seres humanos são hostis a Deus e não podem se submeter à sua Lei e nem agradá-lo (Rm 8:7-8). Portanto, seres humanos não são capazes de pensar, desejar, nem fazer nada bom de e por si mesmos. Somos incapazes de qualquer coisa que mereça o favor de Deus e nós não podemos fazer nada para salvar-nos do julgamento e condenação de Deus que merecemos pelo nosso pecado. Nós não podemos sequer crer no evangelho por nós mesmos (Jo 6:44). Se qualquer pessoa é salva, Deus deve tomar iniciativa.

Traduções Gigantes: Romanos 9 por Tektonics

Padrão

Meu rapaz, nunca na história desse blog fiz uma tradução tão gigantesca! Isso levou meses de suor, um certo traquejo oculto para tradução de termos chatos e difíceis – como ‘colocar todos os ovos na cesta’ -, um estudo do próprio texto, e uma reformatação da coisa toda.

Mas Romanos 9 merece todo empenho! E este texto vai além, por estudar o ambiente no qual São Paulo escreveu a carta. Aliás este site, Tekton Apologetics, é conhecido por abordar este lado sociológico do povo antigo.

Este deve estar recheado de erros, mas está bem útil!

Continuar lendo

Traduções Crédulas: O Uso de Oseias 11:1 em Mateus 2:15 – Pano de Fundo e Visão Geral das Passagens Pertinentes: Mateus 2:15 – Visão Global de Mateus 2

Padrão

Pano de Fundo e Visão Geral das Passagens Pertinentes

Mateus 2:15

Visão Global de Mateus 2

Capítulo 2 está inserido no contexto destes capítulos anteriores. Capítulo 2 descreve tanto uma reação positiva quanto uma negativa à identidade messiânica de Cristo. A reação positiva envolve a visitação dos Magos para o propósito de adorar o rei recém-nascido (2:1-12). A reação negativa envolve o desejo de Herodes em matar o Cristo bebê a fim de preservar seu próprio trono (2:13-23). Mateus provavelmente inclui estas reações polarizadas a fim de prefigurar ambas a crescente rejeição judaica e a aceitação gentílica que seriam caracterizadas durante sua boa nova.

Após Deus alertar os magos em sonho para não retornar a Herodes, Deus emitiu um alerta semelhante para José. Ele foi instruído a tomar sua família e partir para o Egito. Provavelmente este refúgio geográfico particular foi selecionado porque o Egito era relativamente próximo e já existiam judeus vivendo naquela região (Jr 43:7, 44:1; At 2:10, 6:9, 18:24). Portanto havia amigos disponíveis no Egito a quem a família real poderia chamar por ajuda[16]. No Antigo Testamento, Egito tipicamente providenciava um refúgio para os judeus (Gn 42-50; 1Rs 11:40; Jr 26:21-23, 43:7). Egito também proveria asilo para os judeus durante a guerra macabeia[17].

Mateus é claro que a saída de Cristo para o Egito cumpriu a profecia. O uso por Mateus de ινα πληρωθη enquanto citando Oseias 11:1 indica que a partida de Jesus para o Egito era em algum sentido o cumprimento de Oseias 11:1. É também digno notar que a citação por Mateus de Oseias 11:1 vem do MT em vez da LXX. Por razões que serão explicadas mais tarde, Mateus provavelmente citou o MT porque sua leitura acomodava melhor o propósito teológico de Mateus que a LXX[18]. Enquanto vivendo no Egito, os refugiados receberam notícia que Herodes morrera e portanto José moveu sua família do Egito para Nazaré (Mt 2:19-26).

Em suma, ainda que uma leitura limpa de Oseias 11:1 indique que o verso não precisa de cumprimento e sequer está discutindo o messias vindouro, o uso por Mateus da citação indica que a partida de Deus para o Egito cumpriu Oseias 11:1. Em outras palavras, apesar de o uso por Mateus da fórmula de cumprimento não ser resultado exegético de Os 11:1, ele conectou a ida de Cristo para o Egito com a experiência do Êxodo do Egito para Israel. Como e em que bases Mateus espera ver os eventos históricos circundando o Êxodo cumpridos na infância de Cristo? Tentar responder esta questão será agora retomada nas seções subsequentes deste paper.

NOTAS DE RODAPÉ

[16]William Hendriksen, Exposition of the Gospel According to Matthew (Grand Rapids: Baker, 1973), 177.
[17]Hill, The Gospel of Matthew, 84; See also Josephus, Ant 12.9.7.
[18]Ibid., 85.

A Ordem da Fé e Eleição no Evangelho de João: Vós não credes pois não sois das minhas ovelhas – II.B

Padrão

B – Pano de Fundo do Antigo Testamento

Quando olhamos no Antigo Testamento, encontramos uma resposta surpreendentemente clara para a questão “Quem pertence a Deus?”: a nação de Israel.  Existem múltiplas referências no Antigo Testamento para o povo judeu como sendo o povo próprio de Deus, seus escolhidos que lhe pertencem. A seguinte lista é representativa mas não necessariamente exaustiva:

Êxodo 3:7,10; 5:1; 6:7; 7:4,16; 8:1,20-23; 9:1,13,17; 10:3-4; 18:1; 22:25; 32:14;
Levítico 25:55; 26:12;
Deuteronômio 14:1-2; 26:18-19; 29:13; 32:9;
Rute 1:6;
1Samuel 2:29; 9:16-17; 12:22; 13:14; 15:1;
2Samuel 3:18; 5:2, 12; 7:7-8, 10-11;
1Reis 6:13; 8:16; 56, 59, 66, 14:17; 16:2;
2Reis 20:5;
1Crônicas 11:2; 14:2; 17:6-7, 9-10; 22:18; 23:25;
2Crônicas 1:11; 2:11; 6:5-6; 7:10, 13-14; 31:8, 10; 35:3; 36:15-16, 23;
Esdras 1:3;
Salmos 50:4, 7; 53:6; 78:20, 62, 71; 81:8, 11, 13; 85:2, 6, 8; 105:24-25, 43; 106:40; 111:6, 9; 116:14, 18; 125:2; 135:12,14; 136:16; 148:14;
Isaías 1:3; 3:12, 14-15; 5:13, 25; 10:2, 24; 11:11, 16; 14:32; 28:5; 30:26; 40:1; 43:1, 20-22; 44:5; 47:6; 49:13; 51:4, 16, 22; 52:4-6, 9, 14; 58:1; 63:8, 11, 14, 18; 65:9-10, 19, 22;
Jeremias 2:11, 13, 31-32; 4:11, 22; 5:26, 31; 6:14, 27; 7:12, 23; 8:7, 11; 9:7; 11:4; 12:14, 16; 15:7; 18:15; 23:2, 13, 22, 27, 32; 24:7; 30:3, 22; 31:1, 14, 33; 32:38; 33:24; 50:6; 51:45;
Ezequiel 13:9-10; 14:8-9, 11; 25:14; 33:31; 34:30; 36:8, 12, 28; 37:12-13, 18, 23, 27; 38:14, 16; 39:7; 44:23; 45:8-9;
Oseias 4:6, 8, 12; 6:11; 11:7; Joel 2:17-18, 26-27; 3:2-3, 16;
Amós 7:8, 15; 8:2; 9:10, 14;
Obadias 13;
Miqueias 2:8-9; 6:2-5;
Sofonias 2:8-9.

Semelhantemente em muitos locais ao longo do Antigo Testamento o povo judeu é chamado filho de Deus. Novamente, esta lista é apenas representativa:

Êxodo 4:22-23;
Deuteronômio 1:31; 8:5; 14:1-2; 32:19-20;
Isaías 1:2-4; 45:11; 63:8, 16; 64:8;
Jeremias 31:9,20;
Oseias 1:10; 11:1,10;
Malaquias 1:6 (cf. Romanos 9:4).

Assim, quando Deus levou os judeus para fora do Egito, sua palavra a Faraó foi “Deixe ir o meu povo” (Ex 5:1). Quando Deus entregou a lei a Moisés, ele proclamou: “Porque os filhos de Israel são meus servos; eles são os meus servos que tirei da terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso Deus” (Lv 25:55). Deus prometeu aos israelitas: “Andarei no meio de vós, e serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo.”(Lv 26:16). Semelhantemente, Moisés exortou os israelitas: “Filhos sois do Senhor vosso Deus; não vos cortareis a vós mesmos, nem abrireis calva entre vossos olhos por causa de algum morto.” (Dt 14:1). E na profecia de Isaías, o profeta fala para o povo judeu que enquanto eles clamam a Deus em arrependimento: “[8] Mas agora, ó Senhor, tu és nosso Pai; nós somos o barro, e tu o nosso oleiro; e todos nós obra das tuas mãos. [9] Não te agastes tanto, ó Senhor, nem perpetuamente te lembres da iniquidade; olha, pois, nós te pedimos, todos nós somos o teu povo.”(Is 64:8-9).

Além disso, em numerosos lugares do Antigo Testamento a nação de Israel é comparada a um rebanho de ovelhas (1Rs 22:17, 2Cr 18:16), pastoreadas pelos líderes que Deus colocava diante deles (Nm 27:17, 2Sm 5:2, 1Cr 11:2, Sl 78:71-72, 2Sm 7:7, 1Cr 17:6) ou pelo próprio Deus (Sl 23, 28:9, 74:1-2, 78:52, 79:13, 80:1, 95:7, 100:3; Is 40:11; Jr 3:15, 23:1-6; Ez 34:2; Mq 7:14; Zc 10:3). Portanto, Israel pode dizer a Deus, ” Assim nós, teu povo ovelhas de teu pasto, te louvaremos eternamente; de geração em geração publicaremos os teus louvores. “(Sl 79:13). Deus é chamado o Pastor de Israel, que guia José como rebanho (Sl 80:1). Geralmente os judeus são comparados a um rebanho que foi arruinado pelos inimigos, dissipados entre as nações (uma alusão ao cativeiro, tanto físico quanto espiritual), e necessitando da proteção e cuidado de Deus. Estes inimigos poderiam ser tanto de dentro (se líderes corruptos ou o próprio povo em rebelião, como em Ez 34, Is 56:10-12, e Jr  3, 10:21, 23:1-3, 50:6; Zc 10:2-3), ou de fora (como as nações que assolaram Israel; Sl 74,79 (veja Sl 79:13); cf. Is 3:12-15 para ideias semelhantes acerca do povo de Deus). Deus repetidamente prometeu reunir novamente seu rebanho dissipado, seu povo, referindo-se não somente à restauração física da nação do cativeiro, mas também à restauração espiritual debaixo do vindouro Messias, que seria um novo Davi que viria pastorear o povo de Deus (Is 11:10-12; Jr 3:14-19, 23:1-6, 31:10, 32:38; Ez 11:18-21,34:2,37:21-28; Mq 2:12; Zc 8:7-8).

No Antigo Testamento, portanto, é o povo judeu, a nação de Israel, que é considerada o povo de Deus, o rebanho de Deus. Agora a questão é, esta observação pode nos ajudar a entender melhor o significado intencionado por Jesus quando ele afirma que aqueles que pertencem a Deus como filhos de Deus, e quem são as ovelhas de Cristo, que virão a ele em fé? Em uma primeira consideração, não parece ser que, especialmente quando notamos que os israelitas foram algumas vezes chamados povo de Deus mesmo em seus mais rebeldes momentos (p.ex. Sl 106:40; Is 1:2-4, 5:25, 58:1-2; Jr 2:11-13, 4:22; Ez 33:31). Faz pouco sentido dizer que Jesus intencionava que todos os judeus, mesmo aqueles em meio à rebelião, viriam a ele em fé. De fato, Jesus emite as assertivas em questão (p.ex. Jo 8:47, 10:26) para explicar exatamente o resultado oposto, o fato que muitos dos judeus estravam rejeitando-o como Messias e recusando-se a aceitar seu ensino (Jo 5:40).

Existe outro sentido, mais restritivo, dado para “povo” e “rebanho” de Deus no Antigo Testamento, porém, que faz perfeito sentido quando aplicado às afirmações de Jesus no Evangelho de João. (Eu explicarei na próxima seção como este encaixe pode ser feito; nesta seção eu simplesmente introduzirei o sentido restritivo dos termos em questão e estabelecerei sua ocorrência no Antigo Testamento). A noção que tenho em mente é que o povo (filhos, rebanho)  de Deus são aqueles num reto relacionamento em aliança com ele. Eles são os fiéis, obedientes, arrependidos, que responderam à verdade revelada de Deus e mantém os termos da aliança. Vemos este sentido implicado naquelas passagens que contrastam o povo de Deus com os malignos (p.ex. Sl 125; Is 57:14-21, 65:9-12; Ez 11:19-21, 14:7-8,11) e naquelas passagens que caracterizam o povo de Deus como os piedosos que o temiam (p.ex. Sl 103:13, 148:14, 149:4-5, 65:10; Jr 24:7, 31:33; Ez 36:28; 37:21-28; Zc 13:9). É este sentido mais restritivo do que significa ser o povo de Deus que emerge em Os 1:9, quando Deus proclama aos israelitas impios dos dias de Oseias, “E o Senhor disse: Põe-lhe o nome de Lo-Ami; porque vós não sois meu povo, nem sou eu vosso Deus”. Semelhantemente, em referência às casas desesperadamente infiéis de Israel e Judá, Deus declara em Jeremias 5:10-11 que elas não eram do Senhor. Vemos este sentido do termo, também, quando a identidade dos judeus como povo de Deus é explicitamente ligada à sua boa vontade em serem obedientes à aliança, como em Jr 7:23: ” Mas isto lhes ordenei: Dai ouvidos à minha voz, e eu serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo; andai em todo o caminho que eu vos mandar, para que vos vá bem”(também Jr 11:2-5, Lv  26:3-12). Semelhantemente, em Ex 19:5-6 Deus diz aos israelitas:

[5] Agora, pois, se atentamente ouvirdes a minha voz e guardardes o meu pacto, então sereis a minha possessão peculiar dentre todos os povos, porque minha é toda a terra;
[6] e vós sereis para mim reino sacerdotal e nação santa. São estas as palavras que falarás aos filhos de Israel. {Êxodo 19:5-6}

Note que sua condição como possessão peculiar e reino sacerdotal e nação santa é contingente à obediência e desejo de manter a aliança de Deus. Que esta posição especial de ser a possessão peculiar é equivalente a ser seu povo é confirmado em Deuteronômio 26:18-19, no qual os dois termos são justapostos:

[18] Outrossim, o Senhor hoje te declarou que lhe serás por seu próprio povo, como te tem dito, e que deverás guardar todos os seus mandamentos;
[19] para assim te exaltar em honra, em fama e em glória sobre todas as nações que criou; e para que sejas um povo santo ao Senhor teu Deus, como ele disse.
{Deuteronômio 26:18-19; cf. 7:6 e 14:2}.

Novamente em Malaquias 3:16-18 vemos que apenas aqueles israelitas que eram fiéis à aliança eram considerados como pertencendo a Deus neste sentido mais estrito. Em resposta às repreensões de Israel sobre o pecado generalizado da nação, somos informados:

[16]Então aqueles que temiam ao Senhor falavam uns aos outros; e o Senhor atentou e ouviu, e um memorial foi escrito diante dele, para os que temiam ao Senhor, e para os que se lembravam do seu nome.
[17]E eles serão meus, diz o Senhor dos exércitos, minha possessão particular naquele dia que prepararei; poupá-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve.
[18]Então vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que o não serve. {Malaquias 3:16-18}

Nesta passagem são apenas os israelitas justos, que serviam a Deus e que temiam e honravam seu nome, eram considerados sua possessão particular. Eles são contrastados com os israelitas impios que não responderam em arrependimento à repreensão divina transmitida por Malaquias.

A mesma espécie de distinção entre aqueles israelitas fiéis à aliança e aqueles infiéis pode ser vista no Antigo Testamento acerca dos israelitas como ovelhas de Deus. Relembre-se que Deus prometeu reunir seu rebanho/povo novamente de todas as nações para as quais eles foram espalhados (Is 11:10-12; Jr 3:14-19, 23:1-6, 31:10, 32:38; Ez 11:18-21, 34:2, 37:21-28; Mq 2:12; Zc 8:7-8).

Um elemento central dessas passagens é a promessa de Deus em enviar novos pastores para cuidar de seu rebanho, em particular, o pastor-rei que seria chamado pelo nome de Davi, o Cristo. Como Deus dissera mediante o profeta em Jeremias capítulo 23:

[3] E eu mesmo recolherei o resto das minhas ovelhas de todas as terras para onde as tiver afugentado, e as farei voltar aos seus apriscos; e frutificarão, e se multiplicarão.
[4] E levantarei sobre elas pastores que as apascentem, e nunca mais temerão, nem se assombrarão, e nem uma delas faltará, diz o Senhor.
[5] Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que levantarei a Davi um Renovo justo; e, sendo rei, reinará e procederá sabiamente, executando o juízo e a justiça na terra.
[6] Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitará seguro; e este é o nome de que será chamado: O SENHOR JUSTIÇA NOSSA.
{Jeremias 23:3-6}

Semelhantemente, em Ezequiel capítulo 37:

[21] Dize-lhes pois: Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu tomarei os filhos de Israel dentre as nações para onde eles foram, e os congregarei de todos os lados, e os introduzirei na sua terra;
[22] e deles farei uma nação na terra, nos montes de Israel, e um rei será rei de todos eles; e nunca mais serão duas nações, nem de maneira alguma se dividirão para o futuro em dois reinos;
[23] nem se contaminarão mais com os seus ídolos, nem com as suas abominações, nem com qualquer uma das suas transgressões; mas eu os livrarei de todas as suas apostasias com que pecaram, e os purificarei. Assim eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus.
[24] Também meu servo Davi reinará sobre eles, e todos eles terão um pastor só; andarão nos meus juízos, e guardarão os meus estatutos, e os observarão.
[25] Ainda habitarão na terra que dei a meu servo Jacó, na qual habitaram vossos pais; nela habitarão, eles e seus filhos, e os filhos de seus filhos, para sempre; e Davi, meu servo, será seu príncipe eternamente.
[26] Farei com eles um pacto de paz, que será um pacto perpétuo. E os estabelecerei, e os multiplicarei, e porei o meu santuário no meio deles para sempre.
[27] Meu tabernáculo permanecerá com eles; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.
[28] E as nações saberão que eu sou o Senhor que santifico a Israel, quando estiver o meu santuário no meio deles para sempre.
{Ezequiel 37:21-28}

Crucialmente, porém, as ações de Deus acerca disso são contingentes ao arrependimento de Israel e disposição para retornar a Deus, como vemos em Jeremias capítulo três:

[12] Vai, pois, e apregoa estas palavras para a banda do norte, e diz: Volta, ó pérfida Israel, diz o Senhor. Não olharei em era para ti; porque misericordioso sou, diz o Senhor, e não conservarei para sempre a minha ira.
[13] Somente reconhece a tua iniquidade: que contra o Senhor teu Deus transgrediste, e estendeste os teus favores para os estranhos debaixo de toda árvore frondosa, e não deste ouvidos à minha voz, diz o Senhor.
[14] Voltai, ó filhos pérfidos, diz o Senhor; porque eu sou como esposo para vós; e vos tomarei, a um de uma cidade, e a dois de uma família; e vos levarei a Sião;
[15] e vos darei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência.
[19] Pensei como te poria entre os filhos, e te daria a terra desejável, a mais formosa herança das nações. Também pensei que me chamarias meu Pai, e que de mim não te desviarias.
[20] Deveras, como a mulher se aparta aleivosamente do seu marido, assim aleivosamente te houveste comigo, ó casa de Israel, diz o Senhor.
[22] Voltai, ó filhos infiéis, eu curarei a vossa infidelidade. Responderam eles: Eis-nos aqui, vimos a ti, porque tu és o Senhor nosso Deus.
{Jeremias 3:12-15, 19-20, 22}

Deus afirmou aos israelitas que ele os reuniria novamente em Sião (verso 14), lhes daria novos pastores (verso 15), lhes trataria como filhos (verso 19), e lhes curaria a infidelidade (verso 22) apenas se reconhecessem sua culpa (verso 13) e retornassem a ele em fidelidade (versos 12, 14, 22). Sua participação individual nestas bênçãos era claramente contingente à sua boa disposição em arrepender-se. A mesma contingência é vista no Salmo 95:7f onde os israelitas, o povo do pasto de Deus, o rebanho que ele conduz (verso 7), foi exortado a não endurecer o coração pois nenhuma ovelha desobediente poderia adentrar o descanso de Deus (versos 8-11). Traduzindo em termos usados nas passagens já citadas acima, ovelhas infiéis deste tipo seriam incapazes de participar das bênçãos, purificação e paz que Deus desejou trazer com a vinda dos novos pastores, em particular, o Cristo.