Traduções Crédulas: Filipenses 1:29 por Richard Coords

Continuando a Bíblia Comentada por Coords, mais um trecho, dessa vez um tiquinho mais curto: Filipenses 1:29.

Continue lendo “Traduções Crédulas: Filipenses 1:29 por Richard Coords”

Anúncios

Traduções Crédulas: Hebreus 12:2 por Richard Coords

Pois bem, mais um texto da Bíblia Comentada por Coords! Aqui ele trata do autor e consumador da fé. Ou melhor, do exemplo de fé.

Puxe a aba!

Continue lendo “Traduções Crédulas: Hebreus 12:2 por Richard Coords”

Traduções Crédulas: Lucas 2:23 por Examining Calvinism

Ainda na mania dos textos gigantes, eu me esqueço que posso postar alguma pequena gema, ou uma pepita que seja, de sabedoria arminiana. Aqui, Richard Coords aponta um texto que não se concilia bem com o calvinismo – a cerimônia de batismo de Jesus.

Continue lendo “Traduções Crédulas: Lucas 2:23 por Examining Calvinism”

Traduções Soltas: Comentário Rápido Sobre Romanos Nove

Este é um post curtinho. É a resposta do Richard Coords, autor do site ExaminingCalvinism, a um rápido comentário. Ele trata da perspectiva arminiana em Romanos Nove, de uma maneira bem resumida.

Eis:

Você comentou sobre os direitos soberanos do oleiro.

O entendimento arminiano de Romanos 9 é diferente do dos irmãos calvinistas, não apenas no entendimento nações VS indivíduos, mas em termos de com quem Paulo está falando. Arminianos creem que Paulo está persuasivamente argumentando com o judeu não-convertido. (Veja Romanos 2:17 no qual Paulo especificamente interpela o judeu. Paulo torna sua atenção aos gentios em Romanos 11:13, a fim de que não tenham orgulho em seu enxerto. Logo após, Paulo volta sua atenção à Igreja como um todo quando discutindo obediência às autoridades governantes e sua visita à igreja.)

Arminianos creem que em Romanos 9:1-3 Paulo estabelece o tom para o diálogo, com suas melhores intenções no coração, e cogita isto, pelo que ele estará a dizer. Paulo menciona que os judeus pensam que eles são salvos em virtude de serem filhos de Abraão (Rm 9:7) e Paulo imediatamente lhes traz Ismael e Esaú, ambos filhos de Abraão, e mesmo assim não compondo o povo da aliança de Deus, que tinha o efeito de mostrar aos judeus não-convertidos que eles não podem simplesmente confiar em serem filhos de Abraão. Paulo acrescenta que a graça não advém de “querer e correr”. Se Paulo está no diálogo com o judeu não-convertido, então o seu “querer e correr” é referente aos esforços judeus de manter a Lei, e merecer a misericórdia de Deus, ao que Paulo aponta que a misericórdia de Deus não é engatilhada pelo manter a Lei.

Paulo então traz o ponto sobre Moisés e Faraó, que é relativo ao endurecimento. Nenhum judeu poderia rejeitar que Deus foi perfeitamente justo ao endurecer Faraó, já que Faraó era o Hitler da antiguidade. Porém, Deus tem mais justificativa em endurecer os judeus do que no caso de Faraó, porque os judeus receberam mais luz que Faraó. A Escritura alerta Israel em Jeremias 18:1-13 que Deus disse que os endureceria como o oleiro endurece o barro, a não ser que Israel voltasse para Ele. De acordo com Isaías 65:2, Deus estendera Seus braços de graça para Israel todos os dias, mas Israel rejeitou Seus esforços amorosos em reuni-los, como como a galinha que reúne seus pintinhos. Este endurecimenrto foi executado de acordo com Isaías 6:9-10. O endurecimento foi mostrado ser completado em Jo 12.

A fala do endurecimento em Romanos 9 fora em referência a Israel (como parte da continuação do diálogo em Romanos 9:1-3), e é entrelaçado com o conceito de “pedra de tropeço”, o qual é também referenciado em Rm 9. Em Rm 11:25, o endurecimento é mostrado como sendo um endurecimento parcial dos judeus, até o tempo dos gentios se completar. O conceito de endurecimento não é um processo mágico, mas em vez disso tem a ver com o sistema de valores da pessoa.

Os judeus não valorizavam o que Deus valorizava. Então, quando Deus enviou Seu Messias, Ele não O enviou para resgatar os judeus descrentes. Em vez disso, Deus enviou Seu Messias com o mesmo exato sistema de valores que o Seu próprio, sistema este que os judeus rejeitaram. Os judeus valorizavam poder, onipotência e soberania. Deus tem estas coisas, mas elas não O definem. Deus valoriza misericórdica, compaixão, amor, humildade, fé e perdão, e o povo rejeitou a substância de Deus. Então a “pedra de tropeço” é um fator do Messias de Deus, Jesus Cristo, sendo reflexão dos valores de Deus, em completo contraste aos valores da pessoa, e portanto Eles rejeitaram o Filho também. Se eles amassem Deus pelos Seus valores, então eles teriam amado o Filho que espelhava tais valores, e não tropeçariam na pedra de tropeço, e Jesus não seria uma pedra de tropeço afinal.

É disto que se trata Romanos 9: Deus foi paciente com Israel, vasos preparados para destruição, porque eles rejeitaram a graça de Deus dirigida a eles (veja Is 65:2). Em Rm 9:20, Paulo antecipa esta reação por serem endurecidos. A parte do “quem é você, homem” é o mesmo homem de Romanos 2:17, que é parte do diálogo que se prossegue.

Então, arminianos têm um entendimento amplamente diferente dos seus irmãos calvinistas.

LINK para o comentário original.

Traduções Crédulas: Gênesis 2:19 por Examining Calvinism

Faz algum tempo, eu estou procurando este site, o Examining Calvinism. Lá, ele faz uma análise escritural do calvinismo, confrontando alguns de seus pressupostos com as Escrituras. Lá tem uma seção que muito me interessou: análise de textos-prova, tanto do lado calvinista quanto do arminiano.

Este, por exemplo, é um texto contra o determinismo exaustivo. Boa leitura!

Continue lendo “Traduções Crédulas: Gênesis 2:19 por Examining Calvinism”