Traduções Crédulas: O Uso de Oseias 11:1 em Mateus 2:15 – BIBLIOGRAFIA

Padrão

BIBLIOGRAFIA

Albright, F. F., and C. S. Mann. Matthew. The Anchor Bible. Garden City, NY: Doubleday, 1971.

Bauer, Walter. A Greek-English Lexicon of the New Testament and Other Christian Literature. Revised and edited by Frederick William Danker, 3d ed. Chicago: University of Chicago Press, 2000.

Bloch, Renee. “Midrash.” In Approaches to Ancient Judaism, ed. trans. Mary Howard Callaway. Missoula, MO, 1978.

Bock, Darrell. “Use of the Old Testament in the New.” In Foundations for Biblical Interpretation. Nashville: Broadman & Holman, 1994.

________. “Evangelicals and the Use of the Old in the New, part 1.” Bibliotheca Sacra 142 (July-September 1985): 209-223.

Brown, Raymond E. The Sensus Plenior of Sacred Scripture. Baltimore: St. Mary’s University, 1955.

________. The Birth of the Messiah. Garden City, NY: Doubleday, 1977.

Bruce, A. B. Matthew. The Expositor’s Greek Testament, ed. W. Robertson Nicoll. 5 vols. London:

Hodder and Stoughton, 1900-1910. Reprint, Grand Rapids Eerdmans, 1979.

Bruce, F. F. Biblical Exegesis in the Qumran Texts. Grand Rapids: Eerdmans, 1960.

Carson, D. A. “Matthew.” In Expositor’s Bible Commentary. Grand Rapids: Zondervan, 1984.

Chisholm, Robert B. “Hosea.” In The Bible Knowledge Commentary: Old Testament, ed. John F.

Walvoord and Roy B. Zuck. 2 vols. Colorado Springs: Chariot Victor Publishing, 1985.

Cremer, Herman. Biblico-Theologico Lexicon of the New Testament. Edinburgh: T. & T. Clark, 1895.

Cunningham, Scott, and Darrell Bock. “Is Matthew Midrash?” Bibliotheca Sacra (April-June 1987): 157-180.

Davies, W. D. The Setting of the Sermon on the Mount. Cambridge: University Press, 1964.

Dodd, C. H. According to the Scriptures: The Substructure of New Testament Theology. London: Nisbet, 1952.

Dyer, Charles. “Biblical Meaning of ‘Fulfillment’.” In Issues in Dispensationalism, ed. Wesley R. Willis. Chicago: Moody, 1994.

Dyer, Charles, and Gene Merrill. Old Testament Explorer. Swindoll Leadership Library, ed. Charles R. Swindoll and Roy B. Zuck. Nashville: Word Publishing, 2001.

Ellis, E. Earl. “How the New Testament Uses the Old.” In New Testament Interpretation, ed. I. Howard Marshall. Grand Rapids: Eerdmans, 1977.

Fitzmyer, Joseph. “The Use of Explicit Old Testament Quotations in Qumran Literature and in the New Testament.” New Testament Studies 7 (1961): 297-333.

France, R. T. “The Formula Quotations of Matthew 2 and the Problem of Communication.” New Testament Studies 27 (January 1981).

Freedman, David Noel, ed. Anchor Bible Dictionary. 6 vols. New York: Doubleday, 1992.

Fritsch, C. T. “Biblical Typology.” Bibliotheca Sacra 104 (April June 1947): 214-22.

Fruchtenbaum, Arnold. Messianic Christology. Tustin, CA: Ariel Ministries, 1998.

Gartner, Bertil. “The Habakkuk Commentary (DSH) and the Gospel of Matthew.” Studia Theologica 8 (1954): 1-24.

Goppelt, Leonard. Typos: The Typological Interpretation of the New. Translated by Donald H. Madvig. Grand Rapids: Eerdmans, 1982.

Goulder, M. D. Midrash and Lection in Matthew. London: S. P. C. K., 1974.

Green, H. Benedict. The Gospel According to Matthew. New Clarendon Bible, ed. H. F. D. Sparks. Oxford: Oxford University Press, 1975.

Gundry, Robert H. Matthew: A Commentary on His Literary and Theological Art. Grand Rapids: Eerdmans, 1982.

Hagner, Donald A. Matthew 1-13. Word Biblical Commentary, ed. David A. Hubbard and Glenn W. Barker. Dallas: Word Books, 1993.

Harper, William Rainey. A Critical and Exegetical Commentary on Amos and Hosea. International Critical Commentary. Edinburgh: T. & T. Clark, 1905.

Hendriksen, William. Exposition of the Gospel According to Matthew. Grand Rapids: Baker, 1973.

Hill, David. The Gospel of Matthew. New Century Bible Commentary, ed. Ronald E. Clements. Grand Rapids: Eerdmans, 1972.

Hindson, Edward E. Isaiah’s Immanuel: A Sign of His times or the Sign of the Ages? International Library Series, ed. Robert L. Reymond. Philipsburg, NJ: Presbyterian and Reformed Publishing Co., 1979.

Horan, Maurya P. Pesharim: Qumran Interpretation of Biblical Books. The Catholic Biblical Quarterly Monograph Series, no. 8. Washington: The Catholic Biblical Association of America, 1979.

Howard, Tracy L. “The Author’s Intention as a Crucial Factor in Interpreting Scripture: An Introduction.” Baptist Reformation Review 10 (1981): 22-27.

________. “The Use of Hosea 11:1 in Matthew 2:15.” Th.M. Thesis, Dallas Theological Seminary, 1984.

________. “The Use of Hosea 11:1 in Matthew 2:15; An Alternative Solution.” Bibliotheca Sacra 316 (October-December 1986): 314-325.

Josephus, Flavius. The New Completed Works of Flavius Josephus. Translated by William Whiston. Edinburgh, Scotland: William P. Nimmo, 1867. Reprint, Grand Rapids: Kregel Publications 1997.

Johnson, Elliott E. Expository Hermeneutics: An Introduction. Grand Rapids: Academie Books, 1990.

Kaiser, Walter C. “The Single Intent of Scripture.” In Evangelical Roots: A Tribute to Wilbur Smith, ed. Kenneth S. Kantzer. Nashville: Thomas Nelson, 1978.

________. A Response to ‘Author’s Intention’ and Biblical Interpretation’ by Elliot E. Johnson: a paper presented at the International Council on Biblical Inerrancy, Chicago, November 1982, 1982.

Kent, Homer A. “Matthew’s Use of the Old Testament.” Bibliotheca Sacra 121 (January 1964): 34-43.

LaSor, William S. “Prophecy, Inspiration, and Sensus Plenior.” Tyndale Bulletin 29, no. 49-60 (1978).

________. “The Sensus Plenior and Biblical Interpretation.” In Scripture, Tradition, and Interpretation, ed. W. Ward Gasque and William S. LaSor. Grand Rapids: Eerdmans, 1978.

Lenski, R. C. H. An Interpretation of St. Matthew’s gospel. Minneapolis: Augsburg Publishing House, 1964.

Longenecker, Richard N. Biblical Exegesis in the Apostolic Period. Grand Rapids: Eerdmans, 1975.

McCartney, Dan, and Peter Enns. “Matthew and Hosea: A Response to John Sailhammer.” Westminster Theological Journal 63 (2001): 97-105.

McKenzie, Steven. “Exodus Typology in Hosea.” Restoration Quarterly 22 (1979): 100-108.

Morris, Leon. The Gospel According to Matthew. Grand Rapids: Eerdmans, 1992.

Payne, J. Barton. The Theology of the Older Testament. Grand Rapids: Zondervan, 1962.

Payne, Philip B. “The Fallacy of Equating Meaning with the Human Author’s Intention.” Journal of the Evangelical Theological Society 20, no. 3 (September 1977): 243-52.

Plummer, Alfred. An Exegetical Commentary on the Gospel According to Matthew. London: Stock, 1909. Reprint, Grand Rapids, Eerdmans, 1953.

Rad, Gerhard von. Old Testament Theology. Translated by D. M. G. Stalker. 2 vols. New York: Harper & Row, 1962.

Ramm, Bernard. Protestant Biblical Interpretation. Grand Rapids: Baker, 1970.

Ritschl, Dietrich. “God’s Conversion.” Interpretation 15 (1961): 286-303.

Silva, Moises. “The New Testament Use of the Old Testament.” In Scripture and Truth, ed. D. A. Carson and John D. Woodbridge. Grand Rapids: Zondervan, 1983.

Soares-Prabhu, George. The Formula Quotations in the Infancy Narrative of Matthew: An Inquiry into the Tradition History of Mt 1-2. Analecta Biblica. Rome: Biblical Institute Press, 1976.

Stendahl, Krister. The School of St. Matthew and its Use of the Old Testament. Lund: G. W. K. Gleerup, 1954.

TDNT. Grand Rapids: Eerdmans, 1968.

Thomas, Robert L. Evangelical Hermeneutics: The New Versus the Old. Grand Rapids: Kregel, 2002.

Toussaint, Stanley D. “The Argument of Matthew.” Ph.D. diss., Dallas Theological Seminary, 1957.

________. Behold the King. Portland: Multnomah Press, 1980.

Wolff, Hans W. “The Hermeneutics of the Old Testament.” In Essays on Old Testament Interpretation, ed. Claus Westerman. Atlanta: John Knox Press, 1963.

Woolcombe, K. J. “The Biblical Origins and Patristic Development of Typology.” In Essays on Typology, Studies in Biblical Theology, vol. 22, ed. Geoffrey W. H. Lampe and Kenneth Woolcombe. Naperville, IL: A. R. Allenson, 1957.

Anúncios

Traduções Crédulas: O Uso de Oseias 11:1 em Mateus 2:15 – Conclusão

Padrão

Conclusão

O uso por Mateus de Oseias 11:1 é problemático. Apesar de Oseias 11:1 olhar para o passado e não parecer precisar de cumprimento, Mateus 2:15 afirma que Oseias 11:1 foi cumprido nos eventos circundando o início da vida de Cristo. Este paper buscou oferecer a visão de correspondência analógica como uma solução para este dilema. Esta visão contende que Oseias 11:1 não está olhando para o futuro. Em vez disso, mateus está olhando para o passado em Oseias 11:1 para o propósito de traçar analogias entre Cristo e Moisés e Cristo e Israel. Esta abordagem parece preferível em comparação a outras soluções oferecidas por evangélicos. Ela faz o melhor trabalho mantendo a integridade da citação do Antigo Testamento. Significados desconhecidos ao contexto de Oseias 11:1 não são extraídos do texto e portanto Oseias 11:1 não é forçado a dizer algo que nunca significou dizer. Ademais, a visão da correspondência analógica é consistente com a frase ινα πληρωθη encontrada em Mateus 2:15. Finalmente, o desejo de Mateus em traçar pontos de correspondência entre o filho desobediente e o filho ideal satisfaz seu propósito de comunicar a identidade davídica de Cristo à sua audiência judaica.

Traduções Crédulas: O Uso de Oseias 11:1 em Mateus 2:15 – Soluções Inadequadas: Sensus Plenior

Padrão

Sensus Plenior

Interessantemente, o conceito de sensus plenior originou-se das penas de teólogos católicos romanos[33]. Porém, evangélicos começaram a estudar e incorporar este conceito quando lidando com como o Novo Testamento usa o Antigo Testamento[34]. Sensus plenior confia fortemente no conceito de autoria dual. O estudioso católico romano Raymond Brown define sensus plenior como segue: “O sensus plenior é que um entendimento adicional mais profundo intencionado por Deus mas não claramente intencionado pelo autor humano, que é vista à luz de revelação posterior ou desenvolvimento no entendimento da revelação”[35]. Bock comunica uma definição semelhante de sensus plenior: O “Autor humano nem sempre entendeu ou compreendeu completamente a referência profética, enquanto Deus intencionou a referência completa”[36]. Payne captura a essência da visão quando ele nota “Nossa tarefa primária é entender a intenção de Deus, não fundamentalmente a do autor humano”[37].

De acordo com a visão de sensus plenior, Deus como autor divino por detrás da mensagem de Oseias sabia mais que Oseias e intencionou mais do que Oseias anotou. Consequentemente, apesar de Oseias não ter como saber do cumprimento messiânico, Deus intencionou-o. A evidência de que o autor divino intencionou um componente messiânico em Oseias 11:1 é encontrado na maneira que mateus 2:15 aplica Oseias 11:1 a Cristo. Portanto, esta visão permite que Oseias 11:1 seja messiânica em natureza sem encontrar uma predição messiânica no verso a partir do método hermenêutico histórico gramatical[38].

LaSor advoga sensus plenior como uma solução para resolver o problema de Oseias 11:1 e Mateus 2:15. Ele escreve:

Quando ele retirou os israelitas do Egito, ele estava retirando todo o seu povo da escravidão – num sentido literal, porque se Israel não tivesse sido libertado do Egito, não haveria nenhum Israel; e em um sentido mais completo, pois se não houvesse Israel, então não haveria nenhum rei davídico, nenhum profeta, nenhuma Escritura, nenhum Messias, e nenhum cumprimento redentivo. É portanto verdade, neste sentido mais completo, que Deus chamou o seu próprio do Egito. [39]

Em outro momento LaSor escreve, “Ele [Oseias] foi inspirado pelo espírito de Deus … e o espírito o levou a expressar suas palavras numa forma que fosse capaz de um significado mais completo. A completude daquela palavra profética foi vista por Mateus, e ele encontrou o cumprimento em Cristo”[40]. De acordo com LaSor, apesar de Oseias não ter sabido como o plano de Deus eventualmente se desenrolaria, suas palavras eram capazes de serem cumpridas em Cristo[41]. LaSor também parece advogar sensus plenior nos textos mateanos de cumprimento por causa do uso da palavra πληροω[42].

Porém, entender o uso por Mateus de Oseias 11:1 na base de sensus plenior tem sido criticado em diversos fundamentos. Primeiro, se Deus está fornecendo significados desconhecidos ao autor humano, como um interpretador entenderia todas as implicações divinas dadas em um texto além da expressão escrita? Portanto, adotar sensus plenior move o interpretador do domínio da objetividade para o subjetivismo[43]. Kaiser observa, “Quando implicações extrínsecas são lidas em cima do texto bíblico, com uma nota de autenticação divina, então nós introduzimos um elemento incontrolável de subjetividade, se não de fato uma eisegese”[44].

Howard avança com a seguinte abordagem de três ancoramentos a fim de estabelecer controle e objetividade com uma interpretação sensus plenior: o sentido mais completo deve ser dado por revelação futura, o autor humano deve estar vagamente consciente do sentido mais completo, e o sentido completo deve ser baseado em uma leitura literal histórica gramatical do texto do Antigo Testamento. Howard prossegue observando que estes critérios não são satisfeitos acerca de uma interpretação sensus plenior de Oseias 11:1 em Mateus 2:15. O segundo e terceiro critérios não são satisfeitos porque é difícil estabelecer que Oseias incluiu qualquer ideia messiânica em sua discussão do Êxodo histórico de Israel[45]. Mesmo LaSor parece reconhecer que estes dois últimos critérios não são satisfeitos acerca de Isaías 7:14 e Oseias 11:1 quando ele diz “Em nenhum caso há indicação alguma de que o autor tinha algum evento futuro distante em mente, portanto é mais difícil concluir que o autor estava falando de Jesus Cristo ou mesmo um messias sem nome… Mesmo assim ambas as passagens são citadas como cumpridas em Jesus Cristo”[46].

Segundo, o uso de πληροω nos textos de cumprimento mateanos não advoga um entendimento sensus plenior. Como já discutido na visão de profecia preditiva, πληροω não tem que significar o cumprimento de profecia preditiva ou um sentido mais completo por causa da vasta abrangência semântica da palavra[47]. Terceiro, alguns têm criticado sensus plenior baseados em que ele distorce o processo de inspiração. O princípio de sensus plenior faz do autor humano um elemento secundário dado que Deus fornece para o leitor leituras adicionais não intencionadas no contexto original. Isto sugere um processo de inspiração lembrando fortemente um ditado mecânico[48].

Quarto, ainda que seja uma visão minoritária, é possível que o sentido mais completo gire em torno da questão do tempo em vez da matéria do assunto. Kaiser rejeita a interpretação de vários trechos, que são tipicamente utilizados para demonstrar dupla autoria na Escritura, como ensinando que o falante ou escritor inicial não entendeu sua declaração. Após lidar com as passagens em detalhe, ele concluiu que a única coisa que o escritor do Antigo Testamento não entendeu foi o tempo do cumprimento de sua profecia.

Acerca de Daniel 8:27, Kaiser afirma “Tão claro foi o entendimento por Daniel do significado da sua profecia e tão dramático foi seu efeito que ele caiu e adoeceu por alguns dias”[49]. Quando comentando Daniel 12:6-9, Kaiser afirmou, “o fato que estas palavras do anjo deviam ser seladas e trancadas até o tempo do fim, não era nada além de um sinal que estes eventos deveriam permanecer inexplicados até o tempo final que era a expressão equivalente usada em Isaías 8:16, `ata o testemunho, sele a lei”'[50]. Finalmente, ao interpretar 1Pedro 1:10-12, Kaiser nota que os profetas do Antigo Testamento entendiam os seguintes tópicos: o Messias, Seus sofrimentos, Sua glória, a sequência dos eventos (Seu sofrimento foi seguido por Sua glorificação), e que a salvação anunciada naqueles dias pré-cristãos não estava limitada à audiência dos profetas, mas também incluía os leitores dos dias de Pedro. Portanto, Kaiser conclui que a busca dos profetas não estava no significado do que eles escreveram mas, em vez disso, simplesmente no tempo do assunto em questão[51]. Portanto, um entendimento sensus plenior de Oseias 11:1 e Mateus 2:15 é enfraquecido na medida em que o entendimento de Kaiser de dupla autoria esteja correto.

NOTAS DE RODAPÉ

[33] Robert L. Thomas, Evangelical Hermeneutics: The New Versus the Old (Grand Rapids: Kregel, 2002), 361; Bernard Ramm, Protestant Biblical Interpretation (Grand Rapids: Baker, 1970), 40-42.

[34] Howard, “The Use of Hosea 11:1 in Matthew 2:15; An Alternative Solution,” 316. Na nota 14, Howard cita numerosos teólogos católicos que pioneiramente adotaram sensus plenior. Na nota 15, ele cita numerosos evangélicos que incorporaram vários aspectos do sensus plenior.

[35] Raymond E. Brown, The Sensus Plenior of Sacred Scripture (Baltimore: St. Mary’s University, 1955), 92.

[36] Darrell Bock, “Evangelicals and the Use of the Old in the New, part 1,” Bibliotheca Sacra 142 (July-September 1985): 213.

[37] Philip B. Payne, “The Fallacy of Equating Meaning with the Human Author’s Intention,” Journal of the Evangelical Theological Society 20, no. 3 (September 1977): 252.

[38] William S. LaSor, “Prophecy, Inspiration, and Sensus Plenior,” Tyndale Bulletin 29, no. 49-60 (1978): 55.

[39] William S. LaSor, “The Sensus Plenior and Biblical Interpretation,” in Scripture, Tradition, and Interpretation, ed. W. Ward Gasque and William S. LaSor (Grand Rapids: Eerdmans, 1978), 275.

[40] LaSor, “Prophecy, Inspiration, and Sensus Plenior,” 58.

[41] Ibid.

[42] LaSor, “The Sensus Plenior and Biblical Interpretation,” 271.

[43] Tracy L. Howard, “The Author’s Intention as a Crucial Factor in Interpreting Scripture: An Introduction,” Baptist Reformation Review 10 (1981): 22-27.

[44] Walter C. Kaiser, A Response to ‘Author’s Intention’ and Biblical Interpretation’ by Elliot E. Johnson (a paper presented at the International Council on Biblical Inerrancy, Chicago, November 1982, 1982), 1; quoted in Howard, “The Use of Hosea 11:1 in Matthew 2:15; An Alternative Solution,” 317.

[45] Howard, “The Use of Hosea 11:1 in Matthew 2:15; An Alternative Solution,” 317.

[46] LaSor, “The Sensus Plenior and Biblical Interpretation,” 271.

[47] Howard, “The Use of Hosea 11:1 in Matthew 2:15; An Alternative Solution,” 317.

[48] Ibid., 316.

[49]Walter C. Kaiser, “The Single Intent of Scripture,” in Evangelical Roots: A Tribute to Wilbur Smith, ed. Kenneth S. Kantzer (Nashville: Thomas Nelson, 1978), 127.

[50] Ibid.

[51] Ibid., 125-26. Para uma avaliação justa da posição de Kaiser acerca da dupla autoria, veja Elliott E. Johnson, Expository Hermeneutics: An Introduction (Grand Rapids: Academie Books, 1990), 52, 184.