Traduções Crédulas: Efésios 1 por Joshua Ratliff (Eleição Individual É Especificamente Tratada Em Efésios?)

Padrão

Eleição individual é especificamente tratada em Efésios?

Agora nós iremos olhar diversos exemplos em que encontraremos este pareamento de pronomes plurais com nossas bênçãos em Cristo. Note em 1:6 que nos foi dada a graça de Deus, “a qual nos deu gratuitamente no Amado;”. Baseado no seguinte verso que está traduzido “em quem temos a redenção pelo seu sangue…”, existe pouca dúvida que “o Amado” refere-se a Cristo. Ambos os versos 6 e 7 revelam a nós a natureza cristocêntrica e corporativa dos dons divinos da graça e redenção. Claro, eles são realizados temporalmente nas vidas dos indivíduos mediante sua fé em Cristo, mas aqui, eles se referem ao plano e propósito de salvação que foi estabelecida em Cristo como um plano para a plenitude dos tempos (versos 9-10).

Novamente, nos versos 11-14, o mesmo tipo de imagem é usado acerca de nossa herança. Por causa de nossa inclusão no corpo corporativo de Cristo, nós temos obtido esta maravilhosa herança, bem como o selo do Santo Espírito que é a garantia de nossa herança (1:14). Note nestes versos que não foi a escolha pessoal de Deus pelos indivíduos que nos garantiu coisa alguma. É somente a identificação com Cristo mediante fé que traz tal segurança de salvação. Mediante o crer, se é incluso no eleito corporativo (Ef 1:3-4). Com o eleito corporativo sendo o corpo de Cristo (1Co 12:27), Sua eleição (1Pe 2:6) foi essencialmente a eleição da igreja. Portanto, a referência de Paulo para o eleito corporativo (em Cristo) não pode ser separada do próprio Cristo.

Efésios 2:6-7 demonstra que a ênfase de Paulo é no eleito corporativo em Cristo. A igreja é vista como assentada em Cristo nos lugares celestiais. Aqueles de nós que têm sido salvos mediante fé em Cristo, apesar de nossa posição física em vida, podemos estar confidentes que nossa posição espiritual é assentado com Cristo à destra do Pai. Isto só pode ser possível se o apóstolo têm o corpo corporativo de Cristo em mente. Como corpo de Cristo nós estamos posicionados com Ele. Cristo obteve esta posição no Céu desde que Ele ascendeu da terra de volta para o Pai [9]. Indivíduos, por outro lado, só experimentam esta posição em Cristo mediante crença. As “imensuráveis riquezas de Sua graça em benevolência para conosco” são disponíveis para todos que escolhem estar “em Cristo Jesus” (verso 7). Portanto, o corpo corporativo eleito sempre esteve assentado nos céus em Cristo, mas o que estes versos certamente não nos contam é que cada indivíduo crente sempre esteve lá.

Em 3:11, o apóstolo referencia o “eterno propósito de Deus que ele realizou em Cristo Jesus nosso Senhor”. Poucos discordariam que a eleição é cristocêntrica, e este fato é especialmente realçado neste verso. Note no verso 12 que “…temos ousadia e acesso com confiança mediante nossa fé nEle”. Não baseamos nossa confiança em uma eleição pré-temporal na qual fomos escolhidos antes de Cristo morrer por nossos pecados. Em vez disso, nossa confiança é baseada em uma verdade central – Jesus Cristo e Ele crucificado![10] Uma expressão semelhante é encontrada em 2Tm 1:9, em referência a Deus, “… que nos salvou e chamou para um santo chamado… por causa de seu próprio propósito e graça, que ele nos deu em Cristo Jesus antes dos tempos começarem”. O propósito de Deus foi em Cristo pré-temporalmente, mas note que nem na passagem de Efésios e nem na de 2Tm encontramos que alguns indivíduos foram escolhidos para salvação. Certamente, enquanto somos agora parte de um eleito corporativo, em retrospecto, este propósito de Deus foi por nós, mas não podemos concluir que o nós nesta passagem foi um grupo predeterminado de indivíduos eleitos. Porém, sabemos que Deus estabeleceu Seu propósito em Cristo “antes das eras começarem” para todos aqueles que agora são parte da igreja.

2Tm 1:10 explica como este propósito de Deus, salvação mediante Cristo, foi “manifesto pelo aparecimento de nosso Salvador Jesus Cristo” no tempo. Com Seu aparecimento, Jesus “aboliu a morte”. Ele não aboliu-a para nós na eternidade passada, mas foi em Sua cruz que Ele triunfou sobre a morte (Cl 2:13-15). Se indivíduos, ainda não existentes, já foram colocados em Cristo pré-temporalmente com todos os benefícios e benesses da salvação (Ef 1:3) mantidos asseguradamente, destinados para vida eterna, então por que a obra redentora de Cristo no primeiro século AD? Como qualquer das bênçãos da salvação ser efetiva sobre nós antes da obra finalizada de Cristo? Alegar isto parece tornar a missão redentora de Cristo um “espalhafato divino”, um mero símbolo do que Deus já havia completado na eternidade passada[11].  Seria mais consistente com a Escritura, que claramente vê a cruz como necessária para nossa salvação, manter que o eterno propósito de Deus foi que a salvação viria mediante Cristo, não que certos indivíduos foram eleitos pré-temporalmente.

OS FACTS da Salvação : Um Sumário da Teologia Arminiana – ou As Doutrinas Bíblicas da Graça: Expiação Para Todos

Padrão

Expiação Para Todos

(Atonement for All – O Segundo dos Cinco Artigos da Remonstrância)

Como observado anteriormente, devido à depravação total, ninguém pode ser salvo a não ser que Deus tome a iniciativa. As boas novas são que, desde que “Deus é Amor” (1Jo 4:8,16), “suas misericórdias estão sobre todas as suas obras” (Sl 145:14), ama até mesmo seus inimigos (Mt 5:38-43), ele “deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade” (1Tm 2:4), “não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se” (2Pe 3:9), e não toma qualquer prazer na morte do ímpio, mas em vez disso deseja que ele se arrependa de seus pecados e viva (Ez 18:23,33), ele tomou a iniciativa enviando seu único Filho para morrer pelos pecados do mundo. Como João 3:16-18 tão belamente nos afirma:

16. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

17. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.

18. Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.

Deus providenciou o perdão de pecados e salvação de toda pessoa pela morte de Jesus Cristo em favor da humanidade pecaminosa. De fato, pela graça de Deus, Jesus experimentou a morte por todos (Hb 2:9). Como 1Jo 2:2 nos diz, “E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo”. Após a sentença de 1Tim 2:4 citada acima que Deus ” deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”, os versos que se seguem continuam:

5. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem,

6. o qual se deu a si mesmo em resgate por todos, para servir de testemunho a seu tempo;

De fato, “o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lc 11:10), “Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores” (1Tim 1:15), “o Pai enviou seu Filho como Salvador do mundo” (1Jo 4:14; cf. Jo 4:42), Deus é “Salvador de todos os homens” (1Tim 4:10), Jesus é “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1:29), que “morreu pelos ímpios” (Rm 5:6), e “morreu por todos” (2Co 5:14-15) quando “Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões” (2Co 5:19). Jesus até mesmo morreu por aqueles que o rejeitaram e a sua palavra, o negaram e pereceram (Lc 22:17-21; Jo 12:46-48; Rm 14:15; 1Co 8:11; 2Pe 2:1; Hb 10:29). A provisão foi feita por tantos quantos pecaram, que é todas as pessoas (Rm 3:22-25; 5:18).

Mas ainda que Jesus morreu por todos e tem provido expiação para todos, a intenção da expiação provida foi que sua real aplicação (que concede oo perdão dos pecados, situação de justiça com Deus, e salvação) seja condicional à fé em Jesus Cristo. Isto é estabelecido bem claramente em Jo 3:16-18 citado acima. Por amor, Deus sacrificou seu único Filho pelo mundo tal que aqueles do mundo que confiam em Jesus e em seu sacrifício expiatório se beneficiarão de tal sacrifício expiatório e serão salvos enquanto aqueles do mundo que rejeitam este sacrifício expiatório em descrença não se beneficiarão dele mas permanecerão condenados e perecerão (cf. várias outras passagens que deixam claro que fé é a condição debaixo da qual e os meios pelo qual perdão, vida eterna, e salvação são recebidas, por exemplo: Lc 8:12; Jo 1:12; 3:36; 5:24; 6:40,47; 20:31; At 16:31; Rm 1:16; 3-4; 10:9-10; 1Co 1:21; Gl 2:16; 3; Ef 2:8-9; 1Tm 1:16). Desde que a expiação foi providenciada para todos, tornando a salvação disponível a todos, a Escritura por vezes retrata a justificação como potencial para todas as pessoas (Rm 3:22-25; 5:18) ainda que nem todos sejam ultimamente salvos. Apesar de Deus desejar que todos creiam e sejam salvos mediante o sangue de Cristo, muitos perecerão, não por falta de disponibilidade de salvação, mas porque eles rejeitaram a provisão salvífica feita para eles na morte de Cristo e “porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (Jo 3:18). Semelhantemente, as referências escriturais a Deus ou Cristo como Salvador do mundo/de todos (Jo 4:4; 1Tm 4:10; 1Jo 4:14)não significam que todos serão de fato salvos, mas que o Pai e o Filho providenciaram salvação para todos, a qual é efetivada somente para aqueles que creem. Como a própria passagem de 1Tm 4:10 diz, “Pois para isto é que trabalhamos e lutamos, porque temos posto a nossa esperança no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, especialmente dos que creem”. E Tito 2:11 pode dar encorajamento a crentes para apresentar um bom testemunho para Cristo ao mundo descrente com esta razão: “Porque a graça de Deus, que traz a salvação, se manifestou a todos os homens”. De fato, é a expiação ilimitada de Cristo que serve como fundação necessária da genuína oferta de salvação mantida para todos no evangelho e está de acordo com o comando para pregar o evangelho a todos. Por exemplo, falando a uma audiência judaica geral, o Apóstolo Pedro baseou a chamada ao arrependimento na obra de Cristo e implicou que a obra foi para todos naquela audiência quando ele assegurou-lhes que Deus enviou Cristo para retirar cada um deles de seus pecados:

18. Mas Deus assim cumpriu o que já dantes pela boca de todos os seus profetas havia anunciado que o seu Cristo havia de padecer.

19. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, de sorte que venham os tempos de refrigério, da presença do Senhor,

20. e envie ele o Cristo, que já dantes vos foi indicado, Jesus,

21. ao qual convém que o céu receba até os tempos da restauração de todas as coisas, das quais Deus falou pela boca dos seus santos profetas, desde o princípio. […]

26. Deus suscitou a seu Filho Jesus, e a vós primeiramente vo-lo enviou para que vos abençoasse, desviando-vos, a cada um, das vossas maldades. {Atos 3:18-21,26 Almeida Recebida}

Como Lucas 24:45-47 reporta,

45. Então lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras;

46. e disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse, e, ao terceiro dia, ressuscitasse dentre os mortos;

47. e que em seu nome se pregasse o arrependimento para remissão dos pecados, a todas as nações, começando por Jerusalém.
{Lc 24:45-47, cf. Mt 28:18-20, At 17:30).

Traduções Crédulas: Eleição em Romanos 9 – Análise de Romanos 9:6-13 – Duas Formas de Graça Preveniente

Padrão

Eleição em Romanos 9

Análise de Romanos 9:6-13 – Duas Formas de Graça Preveniente

Então, o que encontramos é que a forma incondicionada da eleição referida por Paulo em Romanos 9:7-13 e encarnada na escolha divina de Isaque, Jacó e (por extensão) seus descendentes não foi uma eleição garantindo sua salvação final afinal, mas em vez disso uma eleição pela qual Deus garantiu-lhes uma oportunidade avantajada de exercer fé salvífica. Podemos dizer que a escolha dos descendentes físicos de Israel constituiu um compromisso por Deus de agressivamente buscar um relacionamento salvífico com eles dando-lhes acesso privilegiado à sua verdade. Note que esta caracterização da eleição por Deus do povo judeu paraleliza fortemente o conceito tradicional de graça preveniente (veja a seção “Definições” acima), que é esta forma de graça resistível estendida por Deus para uma pessoa pela qual tal pessoa pode ser trazida à fé e arrependimento, se a pessoa responder cooperativamente e deliberadamente à graça assim estendida. Sem tal graça preveniente, é impossível para a pessoa natural não-regenerada exercer autêntica decisão em fé em direção a Deus (Jo 6:44). Por meio da graça preveniente, ao descrente está ao mesmo tempo concedido acesso às verdades do Evangelho e habilitada a livremente responder em fé a estas verdades se assim desejar. A graça estendida à descendência física de Israel (linhagem tipo 2 acima) pode ser considerada uma forma da graça preveniente que constitui uma oportunidade que concedia ao povo judeu acesso e interação com as verdades salvíficas de Deus de tal forma que poderia potencialmente levá-los à sua salvação.

Uma vez que a forma de graça preveniente estendida a Isaque e Jacó foi discriminatória (no que Deus discriminou entre Isaque e Ismael, e entre Jacó e Esaú, como recipientes desta graça preveniente), Paulo fala em Romanos capítulo um e dois de outra forma mais básica de graça preveniente que claramente não é discriminatória afinal mas de fato universalmente dispensada. Em 1:19-20 Paulo diz que Deus tem deixado evidente para todos os homens Seus atributos invisíveis, Seu eterno poder e divina natureza mediante o mundo que ele fez. Em 1:21 Paulo diz que por meio desta revelação todas as pessoas conhecem Deus, em 1:25 ele diz que eles têm acesso à verdade de Deus, e em 1:32 ele diz que eles conhecem as ordenanças de Deus. Em 2:15 Paulo diz que mesmo os gentios têm a obra da Lei escrita em seus corações. Esta auto-revelação de Deus a toda humanidade mediante a natureza e a consciência humana é suficiente para deixar as pessoas sem desculpas para seus pecados (1:20; 2:1). Não apenas isto, mas a afirmação de Paulo sugere fortemente que a dispensação divina daquilo que podemos chamar de graça preveniente universal provê todas as pessoas com uma básica habilidade de exercer se elas assim escolherem.[8] Paulo diz “porquanto, tendo conhecido a Deus, contudo não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes nas suas especulações se tornaram vãos, e o seu coração insensato se obscureceu.” (1:21) As atividades mencionadas aqui de honrar Deus e agradecer pressupõem o exercício da fé. A menção por Paulo destas atividades neste contexto implica que todas as pessoas são supridas com uma real capacidade de responder à auto-revelação de Deus destas formas (i.e. responder em fé), mas que elas falham em fazê-lo, escolhendo em vez disso suprimir a verdade em injustiça (verso 18). Como resultado, seu coração insensato é obscurecido (verso 21) e eles trazem para si mesmos a justa condenação e ira de Deus (verso 18a).

Esta interpretação de graça universal preveniente como habilitando uma uma verdadeira resposta em fé para todas as pessoas é adicionalmente confirmado pela escrita de Paulo em Romanos 2:4, em que ele aponta a hipocrisia daqueles que cometem os mesmos pecados dos quais julgam os outros. Paulo os reprova, “Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te conduz ao arrependimento?”. A benignidade, paciência, longanimidade mencionadas aqui são todas expressões de sua graça preveniente universal, pela qual ele adia a total manifestação de sua ira sobre os pecadores a fim de dar-lhes adicional oportunidade para o arrependimento (cf. 2Pedro 3:9). De importância, Paulo diz que esta benignidade da parte de Deus tem intenção em levar tais pecadores ao arrependimento. Esta expressão “conduz ao arrependimento?” no verso 2:4b sugere tanto que tal arrependimento da parte de qualquer pessoa é genuinamente possível – não somente na teoria, mas na realidade, bem como mostram as expressões de fé mencionadas em 1:21 são verdadeiramente possíveis para qualquer pessoa – e que este arrependimento é feito possível somente diante da influência (o “levar”) da bondade de Deus, isto é, pela habilitação advinda da graça preveniente de Deus.

Note que não estou dizendo aqui que pessoas tenham capacidade natural de vir à fé e arrependimento sem divina assistência (o erro dos pelagianos). Em vez disso, de fato estou concluindo que dos capítulos um e dois de Romanos que Deus universalmente estende uma forma básica de graça preveniente (mediante a revelação da criação, e o atraso da ira de Deus para o pecado) pela qual todas as pessoas vêm a entender intuitivamente em alguma medida significativa a glória e perfeição morais de Deus e são dados tanto a oportunidade quanto a capacidade de responder livremente a esta revelação em fé e arrependimento, se assim escolherem. Pessoas não fazem assim, porém, mas preferem em vez disso livremente seguir as tendências de seus corações imprudentes, que mediante os efeitos do pecado de Adão foram tornados propensos a crer nas decepções do pecado (veja meu ensaio “Reflexões sobre Pecado Original”). Como resultado, todas as pessoas trazem a condenação de Deus sobre si mesmas, não porque Deus unilateralmente predeterminara que elas pecariam (um dos erros calvinistas) mas porque eles, devido ao exercício do livre arbítrio autêntico contra-causal (veja meus ensaios “As Vontades de Deus” e “Reflexões Filosóficas sobre o Livre Arbítrio”) suprimem o conhecimento de Deus via sua graça preveniente universal.

A existência da graça preveniente universal deste gênero como descrita por Paulo nos capítulos um e dois de Romanos explica como Deus pode ser justo em dispensar uma graça preveniente discriminatória do tipo descrita em Romanos 9:7-13 (que pelo bem da discussão eu chamarei de graça preveniete particular, como distinguindo da graça preveniente universal). Apesar de Isaque e Jacó serem de fato eleitos para uma posição de acesso privilegiado à verdade de Deus como membros da linhagem física da promessa, não é como se Ismael, Esaú e a outra multidão de gentios na terra foram abandonados a encarar a vida sem qualquer oferta de graça preveniente de Deus. No mínimo, eles todos foram recipientes da mesma graça preveniente universal descrita por Paulo em Romanos capítulos um e dois. Isto por si só é suficiente para torná-los, pelo exercício de seu próprio livre arbítrio, indesculpáveis, e esta dispensação divina da graça preveniente universal apenas é suficiente para provar a verdade da asserção que “Deus deseja que todos os homens sejam salvos e venham ao conhecimento da verdade” (1Tm 2:4; também Ex 18:23, Is 45:22, 2Pe 3:9)[9]. Deus expressou seu desejo seu de que todos sejam salvos não somente concedendo a cada pessoa uma intuição de Deus e de sua Lei justa, mas também concedendo a cada pessoa a capacidade de livremente responder a esta intuição com fé e arrependimento. O desejo de Deus neste assunto segue de sua própria natureza moral como um verdadeiro ser bom que deseja o que é bom para suas criaturas. Não há sentido, porém, que a natureza moral de Deus o obrigue a conceder a qualquer descrente mais que isto; de fato, Deus não está nem mesmo obrigado a estender esta graça preveniente universal para começar (i.e. isto é verdadeiramente graça), exceto enquanto ele estava restrito a fazer isto pela sua própria natureza moral que o causa a verdadeiramente desejar a salvação de todos os criados à sua imagem. Consequentemente, provendo adicional graça preveniente particular da espécie descrita por Paulo em Romanos 9:7-11, Deus está indo além, “andando uma milha a mais” por assim dizer, e pode dispensar esta graça desigualmente sem violações de quaisquer obrigações morais da parte de Deus, seja para si mesmo ou para suas criaturas.

Salvação e Soberania de Deus: A Grande Comissão como a Expressão da Vontade Divina (II-B)

Padrão

B. Opção Dois: Deus é Soberano e Isto É Expresso Em Sua Vontade De Salvar Os Eleitos

Teólogos reformados como Louis Berkhof, Herman Hoeksema e David Engelsma são chamados de teólogos decretais porque eles veem os decretos eternos como o ponto inicial para estudar as obras de Deus[14]. Como Truesdale e Talbott, teólogos decretais afirmam uma única vontade em Deus, mas por causa de eles verem a soberania de Deus como característica definitiva do ser de Deus, eles chegam em conclusões bastante diferentes do que aqueles abordados na seção anterior. Teólogos decretais ensinam que Deus, na eternidade, decretou a salvação de um número seleto e definido. Aqueles escolhidos são os eleitos enquanto os rejeitados são os reprovados. Esta abordagem de estudar salvação produz os distintivos da teologia reformada: eleição e reprovação, expiação limitada, graça irresistível, e fé como evidência em vez de condição para salvação.

Alguns teólogos decretais mantêm que a escolha de salvar alguns e danar outros como sendo logicamente inicial e primária. Eles veem a decisão de ordenar todos os outros eventos – a Queda, a Expiação, e por aí vai – como sendo os meios pelos quais Deus cumpre seu primeiro decreto de eleger e reprovar. Esta posição é chamada supralapsarianismo porque ela ensina que Deus decretou dupla predestinação “antes da Queda”. É válido apontar que os reformadores originais – Zwinglio, Lutero e Calvino – eram todos supralapsarianos.

A maioria dos teólogos decretais subsequentes não seguiu os reformadores no caminho do supralapsarianismo mas em vez disso optaram pelo infralapsarianismo. Como o rótulo indica, esta posição mantém que Deus primeiro decretou permitir a Queda e então da raça humana caída elegeu aqueles que ele salvaria. Infralapsarianismo tenta evitar alguns dos óbvios dilemas éticos inerentes no supralapsarianismo. No infralapsarianismo Deus não dana os reprovados antes de sua queda, mas os dana porque são caídos. Nem neste esquema Deus ativamente ordena a danação dos reprovados. Em vez disso, quando Deus escolhe um número seleto para salvação, ele simplesmente ignora o restante da humanidade.

Infralapsarianos não creem que o reprovado é ordenado para o inferno; em vez disso, eles veem o reprovado como omitido do céu. Infralapsarianos adotam um decreto simples de eleição, enquanto supralapsarianos ensinam um duplo decreto de eleição e reprovação. Teólogos geralmente concordam que surpalapsarianismo tenha menos problemas lógicos enquanto o infralapsarianismo tenha menos problemas morais[15]. Mas no fim, seja supra ou infra, teologia decretal ensina que Deus tem apenas uma vontade salvífica e que este intento é salvar apenas seus escolhidos.

Teologia decretal produz um conjunto distintivo de corolários. Primeiro, tal visão de soberania divina requer uma negação do amor universal de Deus. Teólogos como Hoeksema e Engelsma não se restringem em declarar o “eterno ódio” de Deus pelos reprovados. Engelsma declara,

Não é de todo surpreendente que advogados da livre oferta se opoem ao ensino reformado da reprovação, pois a reprovação é a negação explícita exata da negação que Deus ama todos os homens, deseja salvar todos os homens, e condicionalmente lhes oferece salvação. Reprovação estabelece que Deus eternamente odeia alguns homens; imutavelmente decretara sua danação; e determinara bloquear para eles Cristo, graça, fé, e salvação. [16]

Segundo, teologia decretal necessita uma reinterpretação dos textos bíblicos que parecem ensinar que Deus ama toda humanidade e deseja a salvação de todos. Por exemplo, Francis Turretin (1623-1687), um estudioso reformado e um dos primeiros proponentes claros do infralapsarianismo, insiste que o amor expresso em João 3:16 “não pode ser universal para todos e cada um, mas especial para alguns”. Ele se refere a “apenas aqueles escolhidos deste mundo” [17].

Um teólogo decretal moderno, James White, toma uma abordagem semelhante para outros textos universais[18]. Ele entende o “todos” de 1Tm 2:4 como significando que Deus deseja a salvação de “todos os tipos de homens” ou “para todas as classes de homens”. Semelhantemente, 2Pe 3:9 significa que Deus não deseja que nenhum de nós, i.e., os eleitos, pereça.

Se Deus ama somente os eleitos, deseja salvação apenas para seus escolhidos, e providenciou expiação somente para os objetos de seu amor, então um terceiro corolário é inevitável: não existe oferta genuína do Evangelho. David Engelsma devota um livro inteiro para a tese que ainda que o Evangelho seja pregado “promiscuamente” a todos, ele é ofertado apenas aos eleitos. De fato, ele não se preocupa muito com a palavra “oferta” afinal. Pregar não oferece o Evangelho. Pregar opera como o instrumento pelo qual fé é ativada no eleito. Os reprovados podem ouvir o Evangelho, mas a mensagem não é para eles. Engelsma contende que sua posição não é hipercalvinismo, mas calvinismo consistente.

Teologia decretal tem efeitos definidos em como se entende e obedece a Grande Comissão e há consequências para tal sistema de pregação e missão. Primeiro, teologia decretal historicamente tem tido o efeito de causar muitos pastores reformados a restringir quem são os candidatos a ouvir o Evangelho. No século 17 muitos teólogos escoceses argumentaram que o Evangelho deve ser apresentado indiscriminadamente apenas a membros da igreja visível [19]. Muitos batistas ingleses do século 18 contavam as Boas Novas apenas a homens cujas vidas davam evidência de graça divina [20]. Seguindo o hipercalvinismo de Daniel Parker, muitos batistas americanos do século 19 rejeitaram o “dever de ter fé”, isto é, a crença que descrentes têm o dever de se arrepender e crer no Evangelho [21]. Teologia decretal levou estes batistas primitivos “casca-grossa” a se oporem a todos os métodos de evangelismo, missão, ou convocação. Esforço evangelístico organizado eram vistos como “disposições forjadas pelo homem” que presumivelmente faziam a obra de Deus. Mesmo hoje em dia as Igrejas Evangélicas (Batistas) Padrão rejeitam qualquer responsabilidade de pregar o Evangelho a todos [22].

Segundo, mesmo enquanto a maioria dos teólogos decretais de hoje têm se afastado das posturas restritivas dos hipercalvinistas anteriores, eles ainda não veem pregação como um apelo com intenção de persuasão. Para eles, pregação é uma proclamação ou anúncio que ativa fé nos eleitos. Pregar indistintamente instrui todos, mas a chamada interna do Espírito é dada somente àqueles que Deus escolheu. Engelsma afirma que diversas coisas no sermão evangélico típico estarão ausentes de uma mensagem verdadeiramente reformada:

Existe, diversas coisas que não serão encontradas em uma pregação reformada para os não-convertidos. Pregação reformada não abordará a audiência com a declaração: ‘Deus ama todos vocês, e Cristo morreu por todos vocês’. Ela não dirá a cada homem: ‘Deus te ama e tem um maravilhoso plano para sua vida'[23]

Terceiro, como James Daane aponta em sua examinação do efeito da doutrina da reprovação na pregação, teologia decretal eviscera o Evangelho de seu significado[24]. Para muitos ouvintes, talvez a maioria, o anúncio é que Deus decidiu permanecer em guerra com eles e ele tomou eta decisão na eternidade passada. O Evangelho é para ser boas novas, mas de acordo com a doutrina da reprovação, a mensagem certamente não é nova e não é necessariamente boa.

Ultimamente, reprovação é um ensino impregável. Pregação é proclamar a verdade com o propósito de chamar os ouvintes a responder. Daane aponta que isto não pode ser feito com a doutrina da reprovação; ela é uma mensagem que não tem resposta [25]. O ensino não se aplica aos eleitos e, para os reprovados, não há resposta ao anúncio de que se é rejeitado. A doutrina da reprovação declara que não existe chamado interno salvífico para o não-eleito. Nenhum chamado implica nenhuma resposta e certamente isto implica nenhuma pregação. Reprovação pode ser contemplada, estudada, e discutida, mas não pode ser pregada.

Para sumarizar esta seção: se a vontade de Deus é singular, então ou ele deseja a salvação de todos ou não deseja. Como temos visto, começar com a premissa de uma vontade salvífica universal poderá levar alguém à fantasia do universalismo. Postular uma negação de qualquer espécie de vontade salvífica universal poderá levar alguém à gangrena da reprovação. Por tais razões a maioria dos teólogos, reformados ou não, optaram em vez disso por uma abordagem de duas vontades.


Traduções Crédulas: Cinco Questões sobre Predestinação – Questão No. 2: Quem?

Padrão

Cinco Questões sobre Predestinação
Questão No. 2: Quem?
[(Excerto de Erros Calvinistas)]

por Christopher Chapman
Tradução: Credulo from this WordPress Blog

Quem?

Questão No. 2: Quem Deus predestina?

Resposta: A Igreja de Jesus Cristo

A questão de quando Deus predestina não está em disputa entre calvinistas e outros cristãos, mas a questão de quem Deus predestina sim. Devido à sua interpretação ruim de certas passagens da escritura, calvinistas concluíram que Deus, antes da criação do mundo, predestinou certos indivíduos a serem salvos. Mas esta é uma leitura ruim e uma distorção do eterno propósito de Deus.

As implicações deste erro são claras. Se Deus já decidiu que indivíduos ele salvará, e sua eterna vontade é imutável e irresistível, então o destino eterno de todos está selado antes mesmo de nascer. Isto são boas notícias para aqueles sortudos o bastante para serem escolhidos e notícias esmagadoras para aqueles que não foram. Mas graças a Deus isto está errado! Deus não determinou de antemão quais indivíduos seriam salvos e quais seriam danados. Em vez disso, “… para isto é que trabalhamos e lutamos, porque temos posto a nossa esperança no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, especialmente dos que creem” {1Tm 4:10 AR}. Jesus veio para experimentar a morte por todos (Hb 2:9). E ele comanda que seus discípulos contassem a todos as Boas Novas (Mc 16:15-16). A verdade é que Deus não quer que ninguém se perca, senão que todos cheguem ao arrependimento (2Pe 3:9).

Ainda que Deus não tenha predeterminado que indivíduos ele salvaria, a Bíblia ensina que Deus determinou de antemão que ele iria salvar pessoas. Salvação em Cristo não é uma ideia adicional ou um plano B. O erro do calvinismo não é que eles creem que Deus predestinou salvar pessoas, mas que eles creem que Deus predestinou salvar pessoas, mas que eles creem que Deus predestinou a salvação de indivíduos em particular. Quando a Bíblia ensina sobre Deus determinando de antemão quem será salvo, ela não está se referindo a pessoas em particular, mas a um povo em particular. Deus determinou salvar um povo para si mesmo. Pedro escreve sobre a Igreja de Jesus Cristo, “Mas vós sois uma geração eleita, um sacerdócio real, uma nação santa, um povo peculiar, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” {1Pe 2:9 AR}.

Para entender como Deus escolheu a Igreja no Novo Testamento precisamos observar como ele escolheu a nação de Israel no Antigo Testamento. Em Gênesis capítulo doze Deus escolheu Abraão para ser o pai de uma nação. Deus escolheu um homem e prometeu a ele que seus descendentes seriam o santo povo de Deus. Em Dt 7:6 Moisés fala a Israel que Deus os escolheu para serem seu povo. “Porque tu és povo santo ao Senhor teu Deus; o Senhor teu Deus te escolheu, a fim de lhe seres o seu próprio povo, acima de todos os povos que há sobre a terra”. Mas o povo de Israel não foi escolhido como possessão especial de Deus quando Deus enviou Moisés ao Egito. Eles foram escolhidos séculos depois (i.e. predestinados) em Gênesis capítulo doze. Deus escolheu-os porque eles eram do povo de Abraão. Deus os escolheu em Abraão (i.e. mediante Abraão, pelo seu bem, por causa de Abraão). Deuteronômio 7:8 deixa isto claro. Moisés explanou, “Senhor vos amou, e porque quis guardar o juramento que fizera a vossos pais”. Eles foram escolhidos não por eles mesmos mas por causa da promessa que Deus fez a Abraão e depois confirmou em Isaque e Jacó. Novamente, Paulo deixa claro em Romanos 11:28 que eles foram amados pelo bem de seus pais, não por si mesmos. A nação de Israel foi escolhida quando Deus prometeu a Abraão que ele criaria uma grande nação a partir dos descendentes de Abraão. Então vemos que Deus predestinou criar uma nação especial para si mesmo.

Deus escolheu um homem, Abraão. Mediante ele (i.e. para seu bem, por causa dele, nele) seu povo também foi escolhido. Eles não foram escolhidos individualmente, mas como um grupo. A escritura não nos ensina que Deus predestinou que indivíduos nasceriam judeus. Em vez disso ensina que aqueles que são nascidos judeus, aqueles que preenchem o requerimento racial, herdariam a terra da Palestina. Então a eleição de indivíduos (i.e. situação de escolhidos) foi fundamentada em sua conexão legítima com a nação eleita, a saber, Israel. E a eleição da nação foi fundamentada com seu relacionamento com o escolhido, a saber, Abraão.

No Novo Testamento Deus segue o mesmo padrão que ele seguiu no Antigo Testamento. Primeiro ele escolhe um homem. Cristo foi “na verdade, foi conhecido (i.e. amado, escolhido) ainda antes da fundação do mundo, mas manifesto no fim dos tempos por amor de vós”
{1Pe 1:20 AR}. Cristo é “pedra viva, rejeitada, na verdade, pelos homens, mas, para com Deus eleita e preciosa” {1Pe 2:4 AR}. Cristo é O Escolhido. Mas diferente de Abraão, que foi escolhido somente depois do dilúvio de Noé, Cristo foi escolhido antes da criação do mundo.

E bem como ele fez com Abraão na primeira aliança, Deus escolheu Cristo para o propósito de fazer uma santa nação para ele. Quando Deus escolheu Seu filho antes do mundo começar, ele também escolheu aqueles que, em devido tempo, têm uma legítima conexão com ele. Ele não apenas escolheu Cristo, mas ele escolheu uma nação em Cristo. “Mas vós sois uma geração eleita, um sacerdócio real, uma nação santa, um povo peculiar, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”{1Pe 2:9 AR}. Deus escolheu a Igreja de Cristo para ser sua possessão especial, sua santa nação. Ele os escolheu pelo bem do Escolhido. Efésios 1:4 afirma, Deus nos escolheu (o Corpo de Cristo corporativo) nele (mediante ele, por causa dele) antes da fundação do mundo (ao mesmo tempo que ele escolheu Cristo).

Então, Deus escolheu um homem, Cristo Jesus. Mediante ele (i.e. pelo seu bem, nele, por causa dele) seu povo também foi escolhido. Eles não foram escolhidos individualmente, mas como um grupo. A escritura não nos ensina que Deus predestinou quais indivíduos seriam cristãos nascidos de novo. Em vez disso ela ensina que aqueles que são nascidos de novo, aqueles que preenchem o requisito espiritual, herdarão o reino de Deus. Antes do mundo ser feito, Deus determinou formar o corpo de Cristo. Então a eleição neo-testamentária do indivíduo (i.e. a situação de escolhido) é fundada em sua legítima conexão com o povo escolhido, a saber, a Igreja de Jesus Cristo. E a eleição da “nação santa” é fundada em seu relacionamento com o Escolhido, a saber, Cristo.

É verdade que antes do mundo começar Deus predestinou salvar pessoas. Mas esta eleição (i.e. escolha) de pessoas não foi individual, mas corporativa (i.e. como um grupo). Ele não selecionou manualmente pessoas para a vida eterna, mas ele determinou de antemão que ele escolheria um grupo particular de pessoas pertencentes a ele. Quando a Bíblia fala sobre predestinar pessoas para vida eterna, não fala de indivíduos em particular, mas de um grupo de pessoas em particular. Deus nos escolheu corporativamente, não individualmente. A coisa importante para cada um de nós, é assegurar que somos parte de um “nós” corporativo que é referenciado em Efésios 1:4. Exatamente quem desfruta dos privilégios do eterno propósito de Deus para a Igreja depende se se pertence ou não a Cristo.

Cristo foi escolhido antes do começo do mundo, bem como Abraão foi escolhido nos dias após o dilúvio. E Deus determinou de antemão escolher um povo em Cristo bem como ele predestinou escolher os descendentes de Abraão. Deus predestinou salvar um povo para sua própria possessão. Deus não predestinou indivíduos para se tornar membros do corpo predestinado de Cristo, mas ele predestinou a Igreja de Jesus Cristo para experimentar salvação eterna.