OS FACTS da Salvação : Um Sumário da Teologia Arminiana – ou As Doutrinas Bíblicas da Graça: Libertos para Crer pela Graça de Deus

Padrão

Libertos para Crer pela Graça de Deus

(Freed by Grace to Believe – Artigos 3 e 4 dos Cinco Artigos da Remonstrância)

Como temos notado, como os humanos são caídos e pecaminosos, eles não são capazes de pensar, desejar, nem fazer nada bom em e de si mesmos, incluindo crer no evangelho de Cristo (veja a descrição de Depravação Total acima). Portanto, desejando a salvação de todos e providenciando expiação para todas as pessoas (veja “Expiação para Todos” acima), Deus continua a tomar a iniciativa para o propósito de trazer todas as pessoas para salvação chamando todas as pessoas em todo lugar para se arrependerem e crerem no Evangelho (At 17:30; cf. Mt 28:18-20), e habilitando aqueles que ouvem o Evangelho a respondê-lo positivamente em fé. Sem o auxílio da graça, o homem não pode nem mesmo escolher agradar Deus ou crer na promessa da salvação mantida no evangelho. Como Jesus disse em Jo 6:44, “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer”. Mas graças a Deus, Jesus também prometeu “E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim”(Jo 12:32). Portanto, o Pai e o Filho trazem as pessoas a Jesus, habilitando-as a vir a Jesus em fé. Mesmo que as pessoas pecaminosas estejam cegas para a verdade do evangelho (2Co 4:4), Jesus veio ao mundo da humanidade pecaminosa como “a verdadeira luz que ilumina todo homem” (Jo 1:9; cf 12:36), a luz da qual João o Batista veio a dar testemunho, “para que todos cressem por meio dele” (Jo 1:7). Então nós encontramos Jesus falando ao povo que estava indisposto a crer nele para que pudessem ser salvos (Jo 5:34, 40) e alertando descrentes, “Ainda por um pouco a luz está convosco. Andai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos apanhem; pois quem anda nas trevas não sabe para onde vai. Enquanto tendes a luz, crede na luz, para que vos torneis filhos da luz” (Jo 12:35-36). De fato Deus iluminou os corações de seus apóstolos “para a dar iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Jesus Cristo” (2Co 4:6), e o Apóstolo Paulo recebeu graça “anunciar aos gentios as riquezas inescrutáveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério que, desde o princípio do mundo, esteve oculto em Deus, que criou todas as coisas” (Ef 3:8-9). Isto refere-se ao evangelho da graça de Deus, que “é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” (Rm 1:16), e na realidade torna isto possível, para aqueles que ouvem, crer, porque

[8] Mas que diz? A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração; isto é, a palavra da fé, que pregamos. {Note que Paulo está aplicando Dt 30:12, que indica capacidade de obedecer a palavra de Deus, a mensagem do Evangelho, indicando que aqueles que ouvem o evangelho recebem habilidade de crer nele!]

[9] Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo;

[10] pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.

[11] Porque a Escritura diz: Quem nele crer não será envergonhado.

[12] Porquanto não há distinção entre judeu e grego; porque o mesmo Senhor o é de todos, rico para com todos os que o invocam.

[13] Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.

{Romanos 10:8-13 Almeida Recebida}

Além disso, “a fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo” (Rm 10:17), apesar de que isto não causa necessariamente a fé, desde que “nem todos deram ouvidos ao evangelho” (Rm 10:16) mesmo que eles tenham ouvido (Rm 10:18). Deus oferece sua maravilhosa graça salvífica em Seu Filho para pecadores, mas permite-lhes escolher se eles aceitarão ou rejeitarão. Portanto, no caso de Israel, o Deus que ama todos e trabalha pela salvação de todos diz “Todo o dia estendi as minhas mãos a um povo rebelde e contradizente” (Rm 10:21).

Continuando a missão de Jesus de salvar o mundo, o Santo Espírito veio para convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16:8). Ainda que descrentes estejam “entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração” (Ef 4:18), o Senhor abre os corações das pessoas para responder positivamente à mensagem do evangelho (At 16:14) e sua bondade leva àqueles com coração duro e impenitente em direção ao arrependimento (Rm 2:4-5). Em sua soberania, ele até mesmo posicionou os povos com o próprio propósito de “que buscassem a Deus, se porventura, tateando, o pudessem achar, o qual, todavia, não está longe de cada um de nós” (At 17:2&). Em suma, Deus chama todas as pessoas a se arrepender e crer no Evangelho, habilitando aqueles que ouvem a respondê-lo positivamente em fé enquanto ele traz todas as pessoas para a fé em Jesus, rompe a escuridão de seus corações e mentes com o esplendor de sua luz, ilumina suas mentes, comunica seu impressionante poder com o evangelho que incita fé, persuade-os com sua bondade, convence-os pelo seu Espírito, abre seus corações para atentar ao seu evangelho, e posiciona-os para buscá-lo já que ele está perto de cada um.

Tudo isso é conhecido no jargão teológico como a graça preveniente de Deus. O termo “preveniente” simplesmente significa “precedente”. Portanto, “graça preveniente” se refere à graça de Deus que precede salvação, incluindo aquela parte da salvação conhecida como regeneração, que é o começo da vida espiritual eterna concedida a todos os que confiam em Cristo (Jo 1:12-12). Graça preveniente é também às vezes chamada de graça capacitante ou graça pré-regenerativa. Este é o favor imerecido de Deus para pessoas totalmente depravadas, que são indignas da bênção de Deus e incapazes de buscar Deus oi de confiar nele de e por si mesmos. De acordo, Atos 18:27 indica que nós cremos mediante graça, colocando a graça prevenientemente (i.e. logicamente anterior) à fé como o meio pelo qual cremos. É a graça que, entre outras coisas, liberta nossas vontades para crer em Cristo e seu Evangelho. Como Tito 2:11 diz, “Porque a graça de Deus, que traz a salvação, se manifestou a todos os homens”.

Nós falamos da vontade do homem sendo liberta pela graça para enfatizar que as pessoas não têm uma liberdade natural quando vêm a crer em Jeussm mas Deus deve graciosamente tomar a ação de libertar nossas vontades a fim de sermos capazes de crer em seu Filho que ele enviou para a salvação de todos. Quando nossas vontades são libertas, podemos ou aceitar a graça salvífica de Deus em fé ou rejeitá-la para nossa própria ruína. Em outras palavras, a graça salvífica de Deus é resistível, o que quer dizer que ele dispensa seu chamado, guia, e graça convincente (que traria salvação se respondida em fé) de tal forma que podemos rejeitá-lo. Nós nos tornamos livre para crer em Jesus e livres para rejeitá-lo. A resistibilidade da graça salvífica de Deus é claramente mostrada na Escritura, como algumas das passagens já mencionadas testificam. De fato, a Bíblia é tristemente preenchida com exemplos de pessoas desprezando a graça de Deus oferecida a elas. Em Isaías 5:1-7 Deus realmente indica que ele não podia ter feito mada mais para Israel produzir bons frutos. Mas se a graça irresistível é algo que Deus dispensa, então ele poderia ter facilmente provido esta e infalivelmente trazido Israel a produzir bom fruto. Muitas passagens do Antigo Testamento falam sobre como Deus estendeu sua graça para Israel várias e várias vezes mas eles repetidamente resistiram e rejeitaram-no (e.g., 2Rs 17:7-23; Jr 25:3-11; 26:1-9; 35:1-19). 2Cr 36:15-16 menciona que o convite insistente de suas mãos para o seu povo, convite o qual foi rejeitado, foi motivado por compaixão por eles. Mas isto só pode ser se a graça que ele estendeu os habilitou a se arrepender e evitar seu julgamento e ainda assim foi resistível desde que eles de fato resistiram-na e sofreram o julgamento de Deus. Neemias 9 apresenta um exemplo impressionante do testemunho do Antigo Testamento que Deus continuamente estendeu as mãos a Israel com sua graça que encontrou resistência e rejeição. Nós não temos espaço para rever a passagem inteira (mas o leitor é encorajado a assim fazer), mas citaremos alguns elementos chave e prestar atenção a alguns pontos importantes. Ne 9:20a diz “Também lhes deste o teu bom espírito para os ensinar”, e é seguido por um extenso catálogo de ações divinas graciosas em favor de Israel nos versos 9b-25. Então em 9:26-31 diz:

[26] Não obstante foram desobedientes, e se rebelaram contra ti; lançaram a tua lei para trás das costas, e mataram os teus profetas que protestavam contra eles para que voltassem a ti; assim cometeram grandes provocações.

[27] Pelo que os entregaste nas mãos dos seus adversários, que os afligiram; mas no templo da sua angústia, quando eles clamaram a ti, tu os ouviste do céu; e segundo a multidão das tuas misericórdias lhes deste libertadores que os libertaram das mãos de seus adversários.

[28] Mas, tendo alcançado repouso, tornavam a fazer o mal diante de ti,; portanto tu os deixavas nas mãos dos seus inimigos, de modo que estes dominassem sobre eles; todavia quando eles voltavam e clamavam a ti, tu os ouvias do céu, e segundo a tua misericórdia os livraste muitas vezes;

[29] e testemunhaste contra eles, para os fazerdes voltar para a tua lei; contudo eles se houveram soberbamente, e não deram ouvidos aos teus mandamentos, mas pecaram contra os teus juízos, pelos quais viverá o homem que os cumprir; viraram o ombro, endureceram a cerviz e não quiseram ouvir.

[30] Não obstante, por muitos anos os aturaste, e testemunhaste contra eles pelo teu Espírito, por intermédio dos teus profetas; todavia eles não quiseram dar ouvidos; pelo que os entregaste nas mãos dos povos de outras terras.

[31] Contudo pela tua grande misericórdia não os destruíste de todo, nem os abandonaste, porque és um Deus clemente e misericordioso.

{Neemias 9:26-31 Almeida Recebida}

O texto afirma que Deus deu seu Espírito para instruir Israel (9:20) e que Deus enviou seus profetas e alertou Israel para o propósito de que eles retornassem a ele. Deus propôs estas ações para que tornar Israel de volta a ele / à sua Lei, e ainda assim eles se rebelaram. Isto mostra Deus permitindo seu propósito não vindo a ocorrer por permitir a seres humanos uma escolha de render-se à sua graça ou não. Intrigantemente, a palavra traduzida como “aturar” em Neemias 9:30 usa um vocábulo hebraico que geralmente significa algo como “trazer, tragar, puxar” e foi traduzida na tradução grega do AT usada pela antiga igreja com a mesma palavra usada em Jo 6:44a (“Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer”). Uma tradução melhor de Ne 9:30 seria “Muitos anos tu os trouxeste e os alertaste pelo seu Espírito mediante os profetas. Ainda assim eles não deram ouvidos”. O texto fala de um trazer divino resistível que busca colocar as pessoas para o Senhor em arrependimento. Estêvão também forneceu um bom exemplo de graça resistível quando ele disse a seus compatriotas judeus,

[51] Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; como o fizeram os vossos pais, assim também vós.

[52] A qual dos profetas não perseguiram vossos pais? Até mataram os que dantes anunciaram a vinda do Justo, do qual vós agora vos tornastes traidores e homicidas,

[53] vós, que recebestes a lei por ordenação dos anjos, e não a guardastes.

{Atos 7:51-53}

Lucas 7:30 nos diz que os fariseus e doutores da lei rejeitaram o propósito de Deus para si mesmos. E Jesus, que falou ao povo com o propósito de salvá-los (Jo 5:34), ainda assim notou que eles recusaram a vir até ele para terem vida (Jo 5:40), e que veio para desviar todo judeu de seu pecado (At 3:26; veja o tratamento deste texto em “Expiação para Todos”), mesmo assim claramente nem todo judeu creu nele, lamentou sobre a indisposição do povo para receber sua graça, dizendo “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que a ti são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta a sua ninhada debaixo das asas, e não quiseste!” (Lc 13:34; veja também Ez 24:13; Mt 23:37; Rm 2:4-5; Zc 7:11-14; Hb 10:29; 12:15; Jd 1:4; 2Co 6:1-2; Sl 78:40-42).

Arminianos divergem entre si mesmos sobre alguns dos detalhes de como a graça preveniente de Deus funciona, provavelmente porque a própria Escritura não dá uma descrição detalhada. Alguns arminianos creem que Deus continuamente habilita todas as pessoas a crer em todo tempo como benefício da expiação. Outros creem que Deus somente concede a capacidade de em Cristo para pessoas em tempos selecionados de acordo com sua boa vontade e sabedoria. Ainda outros creem que graça preveniente geralmente acompanha quaisquer dos movimentos específicos de Deus em direção às pessoas, tornando-as capazes de responder positivamente a tais movimentos conforme Deus assim os efetuaria. Mas todos os arminianos concordam que as pessoas são incapazes de crer em Jesus à parte da intervenção da graça de Deus e que Deus de fato concede sua graça que traz para a salvação todas as pessoas moralmente responsabilizáveis. Com respeito ao Evangelho, o bispo arminiano do século XVII, Laurence Womack, bem dissera, “em todos aqueles que a palavra da fé é pregada, o Santo Espírito concede, ou está pronto para conceder, tanta graça quanto é suficiente, no grau adequado, para trazer-lhes à conversão”.

O conceito de “vontade liberta” levanta uma questão mais geral de se seres humanos tenham livre arbítrio geralmente, à parte do domínio de agradar Deus e realizar o bem espiritual (novamente, as pessoas não são livres neste quesito a não ser que Deus as habilite). A resposta arminiana é sim. Pessoas têm livre arbítrio em toda espécie de coisas. Por isto nós queremos dizer que quando as pessoas são livres com respeito a uma ação, então elas podem pelo menos ou realizar a ação ou abster-se de fazê-la. Pessoas geralmente têm escolhas genuínas e são correspondentemente capazes de realizar escolhas. Quando livre, a escolha específica que alguém faz não foi eficientemente predeterminada ou necessitada por qualquer um ou qualquer coisa além da pessoa em si. De fato, se as ações da pessoa foram tornadas necessárias por outrem, e a pessoa não pode evitar realizar a ação, então ele não tem nenhuma escolha e ele não é livre neste quesito. E se ele não tem uma escolha, então nem pode propriamente ser dito que ele escolhe. Mas a Escritura bem claramente indica que as pessoas têm escolhas e fazem escolhas sobre muitas coisas (e.g., Dt 23:16; 30:19; Js 24:15; 2Sm 24:12; 1Rs 18:23, 25; 1Cr 21:10; At 15:22, 25; Fp 1:22). Além disto, ela explicitamente fala de liberdade humana (Ex 35:29; 36:3; Lv 7:16; 22:18, 21, 23; 23:38; Nm 15:3; 29:39; Dt 12:6, 17; 16:10; 2Cr 31:14; 35:8; Ed 1:4, 6; 3:5; 7:16; 8:28; Sl 119:108; Ez 46:12; Am 4:5; 2Co 8:3; Fm 1:14; cf. 1Co 7:37) e atesta seres humanos violando a vontade de Deus, mostrando que ele não predetermina suas vontades e ações para o pecado. Além disto, o fato de Deus manter as pessoas responsáveis por suas escolhas e ações implica que tais escolhas e ações foram livres. Não obstante, é importante lembrar que arminianos não creem em liberdade ilimitada. Existem muitas coisas nas quais não somos livres. Nós não podemos escolher voar batendo os braços por exemplo. Nem negamos que nossas ações são influenciadas por todas as espécies de causas. Mas quando somos livres, estas causas são resistíveis e nós temos uma escolha genuína do que fazemos e não são causadas necessariamente a agir de uma certa maneira por Deus ou por qualquer outra coisa além de nós mesmos.

Finalmente, o conceito de vontade liberta também implica que Deus tem definitivo e absoluto livre arbítrio. Pois é Deus que sobrenaturalmente libera a vontade dos pecadores pela sua graça para crerem em Cristo, o que é um assunto da própria livre vontade e soberania divina. Deus é onipotente e soberano, tendo o poder e autoridade para fazer qualquer coisa que ele queira e não sendo restrito em suas próprias ações e vontade por nada fora de si mesmo e seu próprio julgamento (Gn 18:14; Ex 3:14; Jó 41:11; Sl 50:10-12; Is 40:13-14; Jr 32:17, 27; Mt 19:26; Lc 1:37; At 17:24-25; Rm 11:34-36; Ef 3:20; 2Co 6:18; Rv 1:8; 4:11). Nada pode ocorrer exceto se ele fizer ou permitir. Ele é o Todo-Poderoso Criador e Deus do universo a quem devemos todo o amor, adoração, glória, honra, agradecimento, louvor, e obediência. Portanto, é bom para nós lembrar que detrás da vontade humana liberta está Aquele que liberta a vontade, e este é um assunto de sua gloriosa, livre, e soberana graça, totalmente imerecida de nossa parte, e providenciada para nós pelo amor e misericórdia de Deus. Louvado seja seu santo nome!

3 comentários sobre “OS FACTS da Salvação : Um Sumário da Teologia Arminiana – ou As Doutrinas Bíblicas da Graça: Libertos para Crer pela Graça de Deus

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s