Traduções Crédulas: Hebreus 12:2 por Richard Coords

Padrão

Pois bem, mais um texto da Bíblia Comentada por Coords! Aqui ele trata do autor e consumador da fé. Ou melhor, do exemplo de fé.

Puxe a aba!

Hebreus 12:2

Hebreus 12:2 (veja também Mateus 26:39)olhando para Jesus, o autor e consumador da nossa fé, o qual, pela alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e está assentado à direita do trono de Deus

Mateus 26:39

E adiantando-se um pouco, prostrou-se com o rosto em terra e orou, dizendo: Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres.

Steven Hitchcock comenta: “Ambos estes textos da Escritura, que lidam com a labuta penosa da alma de Jesus na iminência da cruz, abordam o assunto da fé e da vontade. Jesus nem havia sido tentado pelo pecado e ainda assim Ele não ‘quis’ seguir até a cruz. A cruz não era algo a ser desejado, então não querê-la não era indicativo de uma disposição pecaminosa no coração. Ele disse em Sua oração para o Pai que não era a Sua vontade, mas ainda assim ele foi à cruz. De acordo com Hebreus, Ele foi à cruz pela fé, não por Sua vontade. Sua vontade e Sua fé estavam em oposição uma à outra. Então ele diz que Jesus desprezou a vergonha da cruz, significando que ela estava em conflito com Sua vontade, mas que pela fé Ele olhou adiante para a alegria que estava firmada diante dEle. Jesus superou on conflito de Sua vontade, e uma vontade sem pecado, pela fé. Jesus é nosso líder e o aperfeiçoador de nossa fé porque Ele superou Sua vontade pela fé. Então enquanto fixamos nossos olhares em Jesus, o que é olhar para Ele em fé, nossas vontades escravizadas são derrotadas. Portanto, no exemplo sem pecado do Senhor Jesus Cristo nós podemos observar que quando a fé é exercitada ela não é governada pela disposição da vontade ou mesmo surge da vontade, mas em vez disso, o exercício da fé governa a vontade” (Recanting Calvinism, pp.229-230, ênfase minha)

No contexto, Hebreus 12:2 segue o “capítulo da fé” de Hebreus 11, que destaca os crentes fiéis da Bíblia. Voltando para Jesus, destacando o que Ele fez, mostra que não apenas Ele é o maior dos exemplos mencionados, mas também é Aquele em quem todos tinham crido. Começando e autorando, e finalizando e aperfeiçoando, Jesus providenciou o exemplo definitivo de fé e para a fé, e esta é mais provavelmente a intenção. Em outras palavras, isto não é necessariamente sobre salvação.

Questão: Fé é sempre sobre justificação?

Resposta: Não. Até mesmo cristãos lutam com a falta de fé. Os discípulos também lutavam com fé. Jesus encorajou: “Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei” (Jo 14:14).

Gordon Robertson comenta: “tome ao coração que Jesus é nossa fé. Você nem tem que chegar e angariá-la de si mesmo. Isto não é algo como ‘Vamos pular’ e ‘ficar emocionais’. Isto é ‘Olhe para ele, o autor e consumador da sua fé’. E se Ele é o autor, então Ele começou. E se Ele é o consumador, isto significa que Ele a finaliza. E tudo que temos que fazer é olhar para Ele. Então em vez de eu tentar chegar com ela, eu somente tenho que olhar para Ele, e quanto mais eu olho para a Sua Palavra, mas eu olho para ele, porque quem é a Palavra? Jesus. Jesus. ‘Fé vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra’. Ouvir Jesus” (The Life-Changing Power of Prayer)

Note que este trecho está falando de fé no contexto de crentes, de cristãos buscando fé. Então fé nem sempre é sobre salvação. Por vezes ela lida com a caminhada do cristão, e o Capítulo da Fé de hebreus encoraja exatamente este tipo de fé.

Gordon Robertson afirma: “Nós temos livre arbítrio, e podemos escolher obedecer e crer, ou podemos começar a fazer as coisas da nossa forma” (The Life-Changing Power of Prayer).

Gordon Robertson acrescenta: “O mundo diz ‘Ver é crer’. A Bíblia diz ‘Crer é Ver’. Crer que você já tem. Comece a pensar em quantas vezes você orou, e creu que não a tinha. Quantas vezes você repetiu a mesma coisa, ‘Tenho que encarar a realidade’. Mesmo quando você tem visto toda evidência de Seu poder e Sua fidelidade, e Ele tem te visto até aqui, e que Ele tem caminhado contigo até aqui, você começa a dizer ‘Eu ainda não tenho'” (The Life-Changing Power of Prayer)

Nem mesmo João Calvino usou este texto de Hebreus como prova da graça irresistível. Calvinistas estão simplesmente inferindo de Efésios 2:8 que fé é um dom (quando de fato salvação é o dom, como referenciado em Rm 6:23), e então concluem de Hebreus 12:2 que Jesus é o originador de uma fé irresistível, o que eu não consigo ver como pode ser relacionado de forma alguma com o contexto de Hebreus 12:2.

Esta passgem nada tem a ver com salvação, ou com Jesus dando fé aos calvinisticamente eleitos quando é o tempo de eles deixarem a depravação total e receber graça irresistível. A ênfase, aqui, é na corrida, para que os crentes avancem sem sobrecarga, fixando seus olhos em Jesus, não como linha de chegada, mas como perfeito exemplo de como correr a corrida pela alegria que está diante dEle, com paciência que persevera ao longo de todo sofrimento e vergonha. Jesus é descrito como o mais augusto exemplo de como começar, perseverar e completar a corrida da fé.

Calvinistas se atém à palavra “autor” e assumem que ela significa que Ele origina, inicia, começa, capitaneia e controla uma fé eficaz [graça irresistível] em cada um dos calvinisticamente eleitos [eleição incondicional], e então preserva tal fé irresistível até o fim [perseverança dos santos]. A visão alternativa é que Jesus é o autor e aperfeiçoador da fé cristã pelo exemplo, o que faz todo sentido, desde que ele vem logo depois dos muitos exemplos de Hebreus 11.

Em seu capítulo sobre graça irresistível, James White comenta: “O coração redimido regozija em considerar a verdade que Jesus é autor e consumador da fé. O termo ‘autor’ refere-se à rigem, fonte, e ‘consumador’ significa aquele que completa e finaliza. Enquanto Jesus certamente é a origem e fonte da fé como na fé cristã como um todo, nesta passagem, seguindo logo após o ‘hall da fama da fé’ em Hebreus 11, nossa fé perseverante em Deus está em vista. Cristo é a origem dessa fé, e Ele igualmente a aperfeiçoará. Que a verdadeira e salvífica fé é um aspecto vital da obra do Espírito Santo na obra da regeneração surge muitas vezes no texto do Novo Testamento” (Debating Calvinism, p.202, ênfase minha)

Sim, o “coração redimido” regozija, mas o auto-intitulado “coração reformado” luta para encontrar qualquer muleta para fazer esta passagem ensinar o calvinismo. Ninguém questiona que o Sant Espírito é aqele que regenera. A questão é se alguém é regenerado preemptivamente simplesmente porque eles alegadamente foram escolhidos para uma Casta Superior VS Os Intocáveis de supostos não-eleitos de uma Casta Menor. Tal regeneração preemptiva também pressupõe que alguém é preemptivamente selado em Cristo, a fim de acessar tal regeneração, e é aí onde a graça irresistível calvinista encontra sua maior fraqueza, especialmente quando referenciada com Efésios 1:13. James White tentou usar Hebreus 12:2 como uma referência críptica à graça irresistível, mas como se vê, não há nada de explícito para se trabalhar.

Paráfrase calvinista: Jesus é o autor da graça irresistível nos calvinisticamente eleitos, e preserva sua fé até o fim.

Paráfrase Arminiana: Jesus é a inspiração e motivação para crentes lutarem a boa luta da fé, nãp necessariamente acerca da salvação, mas da caminhada cristã.

META

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s