Traduções Crédulas: Hebreus 12:2 por Richard Coords

Padrão

Pois bem, mais um texto da Bíblia Comentada por Coords! Aqui ele trata do autor e consumador da fé. Ou melhor, do exemplo de fé.

Puxe a aba!

Hebreus 12:2

Hebreus 12:2 (veja também Mateus 26:39)olhando para Jesus, o autor e consumador da nossa fé, o qual, pela alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e está assentado à direita do trono de Deus

Mateus 26:39

E adiantando-se um pouco, prostrou-se com o rosto em terra e orou, dizendo: Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres.

Steven Hitchcock comenta: “Ambos estes textos da Escritura, que lidam com a labuta penosa da alma de Jesus na iminência da cruz, abordam o assunto da fé e da vontade. Jesus nem havia sido tentado pelo pecado e ainda assim Ele não ‘quis’ seguir até a cruz. A cruz não era algo a ser desejado, então não querê-la não era indicativo de uma disposição pecaminosa no coração. Ele disse em Sua oração para o Pai que não era a Sua vontade, mas ainda assim ele foi à cruz. De acordo com Hebreus, Ele foi à cruz pela fé, não por Sua vontade. Sua vontade e Sua fé estavam em oposição uma à outra. Então ele diz que Jesus desprezou a vergonha da cruz, significando que ela estava em conflito com Sua vontade, mas que pela fé Ele olhou adiante para a alegria que estava firmada diante dEle. Jesus superou on conflito de Sua vontade, e uma vontade sem pecado, pela fé. Jesus é nosso líder e o aperfeiçoador de nossa fé porque Ele superou Sua vontade pela fé. Então enquanto fixamos nossos olhares em Jesus, o que é olhar para Ele em fé, nossas vontades escravizadas são derrotadas. Portanto, no exemplo sem pecado do Senhor Jesus Cristo nós podemos observar que quando a fé é exercitada ela não é governada pela disposição da vontade ou mesmo surge da vontade, mas em vez disso, o exercício da fé governa a vontade” (Recanting Calvinism, pp.229-230, ênfase minha)

No contexto, Hebreus 12:2 segue o “capítulo da fé” de Hebreus 11, que destaca os crentes fiéis da Bíblia. Voltando para Jesus, destacando o que Ele fez, mostra que não apenas Ele é o maior dos exemplos mencionados, mas também é Aquele em quem todos tinham crido. Começando e autorando, e finalizando e aperfeiçoando, Jesus providenciou o exemplo definitivo de fé e para a fé, e esta é mais provavelmente a intenção. Em outras palavras, isto não é necessariamente sobre salvação.

Questão: Fé é sempre sobre justificação?

Resposta: Não. Até mesmo cristãos lutam com a falta de fé. Os discípulos também lutavam com fé. Jesus encorajou: “Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei” (Jo 14:14).

Gordon Robertson comenta: “tome ao coração que Jesus é nossa fé. Você nem tem que chegar e angariá-la de si mesmo. Isto não é algo como ‘Vamos pular’ e ‘ficar emocionais’. Isto é ‘Olhe para ele, o autor e consumador da sua fé’. E se Ele é o autor, então Ele começou. E se Ele é o consumador, isto significa que Ele a finaliza. E tudo que temos que fazer é olhar para Ele. Então em vez de eu tentar chegar com ela, eu somente tenho que olhar para Ele, e quanto mais eu olho para a Sua Palavra, mas eu olho para ele, porque quem é a Palavra? Jesus. Jesus. ‘Fé vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra’. Ouvir Jesus” (The Life-Changing Power of Prayer)

Note que este trecho está falando de fé no contexto de crentes, de cristãos buscando fé. Então fé nem sempre é sobre salvação. Por vezes ela lida com a caminhada do cristão, e o Capítulo da Fé de hebreus encoraja exatamente este tipo de fé.

Gordon Robertson afirma: “Nós temos livre arbítrio, e podemos escolher obedecer e crer, ou podemos começar a fazer as coisas da nossa forma” (The Life-Changing Power of Prayer).

Gordon Robertson acrescenta: “O mundo diz ‘Ver é crer’. A Bíblia diz ‘Crer é Ver’. Crer que você já tem. Comece a pensar em quantas vezes você orou, e creu que não a tinha. Quantas vezes você repetiu a mesma coisa, ‘Tenho que encarar a realidade’. Mesmo quando você tem visto toda evidência de Seu poder e Sua fidelidade, e Ele tem te visto até aqui, e que Ele tem caminhado contigo até aqui, você começa a dizer ‘Eu ainda não tenho'” (The Life-Changing Power of Prayer)

Nem mesmo João Calvino usou este texto de Hebreus como prova da graça irresistível. Calvinistas estão simplesmente inferindo de Efésios 2:8 que fé é um dom (quando de fato salvação é o dom, como referenciado em Rm 6:23), e então concluem de Hebreus 12:2 que Jesus é o originador de uma fé irresistível, o que eu não consigo ver como pode ser relacionado de forma alguma com o contexto de Hebreus 12:2.

Esta passgem nada tem a ver com salvação, ou com Jesus dando fé aos calvinisticamente eleitos quando é o tempo de eles deixarem a depravação total e receber graça irresistível. A ênfase, aqui, é na corrida, para que os crentes avancem sem sobrecarga, fixando seus olhos em Jesus, não como linha de chegada, mas como perfeito exemplo de como correr a corrida pela alegria que está diante dEle, com paciência que persevera ao longo de todo sofrimento e vergonha. Jesus é descrito como o mais augusto exemplo de como começar, perseverar e completar a corrida da fé.

Calvinistas se atém à palavra “autor” e assumem que ela significa que Ele origina, inicia, começa, capitaneia e controla uma fé eficaz [graça irresistível] em cada um dos calvinisticamente eleitos [eleição incondicional], e então preserva tal fé irresistível até o fim [perseverança dos santos]. A visão alternativa é que Jesus é o autor e aperfeiçoador da fé cristã pelo exemplo, o que faz todo sentido, desde que ele vem logo depois dos muitos exemplos de Hebreus 11.

Em seu capítulo sobre graça irresistível, James White comenta: “O coração redimido regozija em considerar a verdade que Jesus é autor e consumador da fé. O termo ‘autor’ refere-se à rigem, fonte, e ‘consumador’ significa aquele que completa e finaliza. Enquanto Jesus certamente é a origem e fonte da fé como na fé cristã como um todo, nesta passagem, seguindo logo após o ‘hall da fama da fé’ em Hebreus 11, nossa fé perseverante em Deus está em vista. Cristo é a origem dessa fé, e Ele igualmente a aperfeiçoará. Que a verdadeira e salvífica fé é um aspecto vital da obra do Espírito Santo na obra da regeneração surge muitas vezes no texto do Novo Testamento” (Debating Calvinism, p.202, ênfase minha)

Sim, o “coração redimido” regozija, mas o auto-intitulado “coração reformado” luta para encontrar qualquer muleta para fazer esta passagem ensinar o calvinismo. Ninguém questiona que o Sant Espírito é aqele que regenera. A questão é se alguém é regenerado preemptivamente simplesmente porque eles alegadamente foram escolhidos para uma Casta Superior VS Os Intocáveis de supostos não-eleitos de uma Casta Menor. Tal regeneração preemptiva também pressupõe que alguém é preemptivamente selado em Cristo, a fim de acessar tal regeneração, e é aí onde a graça irresistível calvinista encontra sua maior fraqueza, especialmente quando referenciada com Efésios 1:13. James White tentou usar Hebreus 12:2 como uma referência críptica à graça irresistível, mas como se vê, não há nada de explícito para se trabalhar.

Paráfrase calvinista: Jesus é o autor da graça irresistível nos calvinisticamente eleitos, e preserva sua fé até o fim.

Paráfrase Arminiana: Jesus é a inspiração e motivação para crentes lutarem a boa luta da fé, nãp necessariamente acerca da salvação, mas da caminhada cristã.

META

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s